quarta-feira, dezembro 05, 2018

LIVRO | CARNIFICINA: CONTOS DAS CIDADES MALDITAS - VÁRIOS AUTORES

Carnificina contos das cidades malditas
Sinopse: Muitos escrevem sobre aquilo que mais desejam na vida: amor, dinheiro, sexo, aventura, fantasia; uma jornada em busca de uma recompensa, uma batalha em nome de um bem maior. Mas poucos são aqueles que se lembram de que, além do “felizes para sempre”, há a morte e todos os elementos que compõem a finitude humana. Destes nasceu o medo, e do medo advieram o terror e o horror que poucos desejam saciar em suas gargantas sedentas pela escuridão. Sob esta premissa, 12 autores se reuniram a partir de um convite singelo, a fim de que criassem contos de terror e horror com somente uma regra: escrever à vontade, sem amarras morais. Destarte, à procura da essência do sangue, do sobrenatural e das trevas, este grupo deu vida a uma antologia formada por histórias cruéis que se passam em cidades malditas, tal é a nossa realidade brasileira.

Avaliação: ★★★★☆

Demorei alguns dias para escrever sobre Carnificina e já quero começar dizendo que o e-book causou grande polêmica, já que uma página com mais de 20 mil seguidores acha lindo dizer que "destrói carreiras". 

Antes de começar a falar sobre o e-book, preciso manifestar minha opinião a respeito daquelas pessoas que consideram a literatura nacional um fracasso. Durante toda a minha vida de leitora, li livros bons, livros, ótimos e livros que preferia nunca ter lido.

Depois que comecei com o blog e comecei a indicar livros aqui, já recebi muitos livros de escritores nacionais independentes que querem um espaço. No meio desses livros eu já li coisas muito boas, assim como já li livros muito ruins mesmo. Mas eu nunca, jamais gostaria de ser reconhecida por acabar com "sonhos e carreiras". É uma questão de empatia.

Se, por acaso em algum momento da minha eu chegasse a me desentender com um escritor a única atitude que eu tomaria, certamente, seria ignorá-lo. Eu não me dou o trabalho de ler mais de cem páginas para depois falar na internet que foi a pior coisa que já li. Eu apenas não recomendo. Mas algumas pessoas não pensam assim, infelizmente. 

Dito isso, quero ressaltar que Carnificina não é para qualquer um. É um livro realmente pesado, com cenas fortes e que você dificilmente vai digerir, porém, vai agradar ao público que curte gore/trash. Penso que cada um deve procurar o livro que melhor agradar. 

Particularmente, gosto muito de cenas pesadas, não só nos livros, mas também nos filmes e séries. Mesmo tapando os olhos de vez em quando, eu gosto e curti bastante a premissa do idealizador do projeto. Gostei de cada um dos contos e,claro, devemos levar em consideração que a maioria dos autores são novos no ramo e acredito que é a primeira publicação da maioria. O que não diminui o trabalho que cada um teve ao escrever seus contos.

A ideia, acredito, é justamente chocar o leitor. Além do mais, eu estudo literatura há anos e sempre que leio qualquer livro eu separo o autor da obra. Não dá para crer sempre que aquilo que está escrito em uma história fictícia reflete exatamente o pensamento de quem escreve. Conheço diversos escritores que, apesar de não serem LGBTQ+, escrevem livros com esses personagens.

Se nós não pensamos que alguém que escreve sobre vampiros é de fato um vampiro, por quê, então, precisamos associar um escritor jovem ao personagem do seu livro?

No último conto, por exemplo, a autora Thainá Christine conta uma história que se passa aqui do Distrito Federal, mais especificamente em Planaltina. Eu conheço a cidade, conheço a história e, com base no blog da Thainá, posso concluir que é uma história de ficção muito bem escrita, com muitos detalhes e eu nunca mais vou olhar Planaltina com os mesmo olhos.

O livro é perturbador. É intencional, sei que é. Em vista de vários filmes que já vi e que também são perturbadores, Carnificina é tranquilo. 

E para finalizar, quero dizer que algumas coisas que eu não curti no livro, foram ditas a eles como um feedback. Aprendi que elogios você faz em público e bronca você dá em particular.

Título: Carnificina: contos das cidades malditas
Autor: D.A. Potens,‎ Alfredo Alvarenga E Carli Bortolanza,‎ Bruno Wolff E Lisa Hallowey,‎ Gustavo Paiva E Humberto Lima,‎ Jean Gabriel Álamo E Jessé Diniz ,‎ Raquel Pagno E Tatianie Kiosia,‎ Thainá Christine.
Páginas: 203
Ano: 2018
Gênero: Contos/Terror
Editora: Publicação independente
I.S.B.N: B07K3ZHPRH


Compre na Amazon clicando no link abaixo, assim você estará ajudando o blog ❤

terça-feira, dezembro 04, 2018

VALE DOS VINHEDOS, DEGUSTAÇÃO NA MIOLO E MONTE BELO DO SUL

Sempre foi um sonho conhecer um vinhedo. Além de muito lindo, tem uma aura de paz inexplicável. E também sempre quis ver como é o processo de fabricação de vinhos, já que eu gosto bastante.

Bento Gonçalves é bastante conhecida por causa dos vinhos que são produzidos ali e vendidos em todo o Brasil. No Vale dos Vinhedos pudemos ver de perto como é um vinhedo. Fomos na Miolo, que é uma empresa gigante e você provavelmente já viu no mercado um vinho chamado Almaden, pois é, a Miolo é quem produz essa linha.

Só foi uma pena que não estava na época das uvas, os campos estavam bem secos, mas um dia ainda vou no período de colheita. Mesmo assim é muito legal caminhar por ali. 

A visitação dura em torno de 1h e no final tem a parte de degustação. Bom, pude saber como é do início ao fim, a produção da minha bebida preferida. O guia começa mostrando os tipos de uvas usados para cada tipo de vinho, por exemplo, o Merlot, Cabernet Savignon, Chardonnay. 

Seria impossível explicar todo a passeio aqui no blog, já que são muitos detalhes e muita informação, porém posso dizer que andar por dentro de uma fábrica é muito legal. Esses barris da fotos só me lembram do Pica-pau descendo as cataratas, quem não? Uma coisa que eu achei muito interessante é o fato de que os vinhos mais caros demoram anos para finalmente serem vendidos, já que precisa descansar dentro de um barril de madeira.

O guia comentou que o vinho mais caro deles é o Lote 43 e que ainda tem uma safra de 2010 a ser vendida. Gente, olha que coisa chique! Na degustação nós pudemos provar e olha, é ótimo. 

Falando em degustação, depois que você passa por uma, você nunca mais vê os vinhos com os mesmos olhos. Até a forma de segurar a taça você muda. Foi um dos passeios inesquecíveis.

Saindo de lá, fomos a uma cidade chamada Monte Belo do Sul e que tem pouco mais de 2 mil habitantes. É uma cidade que fica bem no topo da serra e não é turística. Inclusive os moradores ficaram nos olhando torto, acho que eles não gostam muito de turistas. Mas a cidade é muito linda e tem uma arquitetura daquele jeito que a gente gosta. O dia rendeu bastante e não vejo a hora de repetir.

A cidade de Bento Gonçalves tem uma história emocionante. Ouvi dizer que lá no início de tudo, um grupo de italianos foi levado para lá com a promessa de ser uma terra rica e fértil, ótima para a plantação de uvas. Mas a verdade é que o lugar era totalmente inapropriado e eles sofreram muito, passaram fome e frio, porém venceram.

Se você puder pesquisar, acredite, é uma história bem interessante.

Fico por aqui, até a próxima.

segunda-feira, dezembro 03, 2018

BENTO GONÇALVES - RS

Como já falei algumas - várias - outras vezes, um casal de amigos mudou para a cidade de Bento Gonçalves no Rio Grande do Sul. Aproveitamos que era ali perto de Gramado e fomos visitá-los, já que fazia uns seis meses desde nossa despedida.

Bento Gonçalves, ao contrário de Gramado e Canela, não é bem uma cidade turística. É uma cidade linda e com uma história maravilhosa. A arquitetura é daquelas bem século XVIII, que, vamos combinar, é muito linda. Nós chegamos lá a noite, então só conheci a cidade à luz da lua. Claro que isso não diminui em nada a beleza.

Na mesma noite em que chegamos, demos essa voltinha rápida e fomos a uma cafeteria chamada Dolce Gusto. Até perguntei se tinha algo a ver com  marca de cafés, mas ninguém soube me responder. Apenas um detalhe mesmo.

A cafeteria era apenas maravilhosa e com um cardápio muito bom. Talvez por ter sido minha primeira visita ao sul eu achei a diferença de preços gritante. O café que eu pedi, não lembro mais nem qual era, acho que era mocha, foi R$9 em um copo grande. Estou acostumada a pedir o mesmo café aqui em Brasília e pagar em torno de R$12 em um copo pequeno. Já a torta, uma delícia e também foi menos de dez reais, não lembro direito.

Na mesma noite, jantamos no restaurante Casa DiPaolo. O restaurante tem uma estrutura bem medieval e o atendimento foi maravilhoso. Comemos um rodízio de carnes com alguns acompanhamentos. Maravilhoso. Por fim, pedimos a sobremesa e um café para fechar com chave de ouro.

Nossa programação para o dia seguinte foi tudo de bom. Conhecemos o Vale dos Vinhedos, na fábrica da Miolo, conhecemos a Casa Valduga e também uma cidade lindinha demais chamada Monte Belo do Sul.

Conto mais nos próximo post.

domingo, dezembro 02, 2018

LINKS DA SEMANA

Essa semana foi bem punk como dizem por aí. Fazia tempo que eu não sabia o que era chegar ao final do dia morta de cansada e esperar ansiosa por um feriado. Ainda bem que deu para recuperar as energias, deixar o estresse de lado para começar tudo de novo. Esta semana será incrível!


  1. Produtos caros que valem mesmo o investimento
  2. Coragem não é ausência de medo
  3. Na sociedade das Barbies, não existe espaço para as bonecas pretas
  4. Meu canal vai ser apagado? *vídeo do Felipe Neto sobre o artigo 13
  5. Maiô plus size pra ficar DEUSA na praia
  6. 7 cortes de cabelo para disfarçar a testa grande
  7. Novidades de dezembro na Netflix
  8. Dicas de e-books por menos de 5 dinheiros *vídeo
  9. 10 filmes para ver em 2019
  10. Dez ilustradores brasileiros para seguir no Pinterest
Boa leitura e uma ótima semana.
Milca Abreu - Blog Sabe o inverno. Design by Berenica Designs.