quarta-feira, março 01, 2017

SENTINDO-ME NOSTÁLGICA (OBRIGATORIAMENTE)

Faz alguns dias que a minha internet faleceu de vez. Ainda nem sinal ou esperança de retorno. Com isso, para não ficar me sentindo em marte durante tanto tempo andei recorrendo a aparelhos que achei que nunca mais veria/usaria na minha vida.

Tudo começou quando percebi que tinha chegado ao fim da nona temporada de The Big Bang Theory que estava em um pen drive (eu via na TV) e não tinha mais nada que eu pudesse fazer nos meus dias de folga. Bom, tenho alguns DVDs na estante e pensei: why not? Foi assim que recorri ao meu pai. Ele tem um arsenal de equipamentos antigos, tais como aparelhos de DVD, vitrolas, toca fitas, rádios AM/FM, vídeo cassete e por aí vai. Prontamente ele, que é um amor, colocou o aparelho de DVD no meu quarto e deixou tudo no ponto para que eu pudesse maratonar Friends. Para não ficar só nisso, as vezes eu alternava entre Friends e Lost. É ou não é muita nostalgia misturada?

Não para por aí. Até que para algumas coisas a internet 4G estava quebrando o galho, mas, como sabemos, muitas vezes ela dá mais raiva do que alívio, e aí aconteceu que hoje pela manhã meu pacote de dados, que eu julgava ótimo, acabou assim do nada. Nem sei se acabou na verdade, só sei que não funciona. Como disse ali em cima, para não me sentir em outro planeta por tanto tempo voltei correndo no papai e pedi um desses rádios para ficar por dentro das notícias. Você deve estar se perguntando: e porque não ver TV? A minha resposta é: se não estiver passando série, filme ou algum desenho, sem chance. Ah, além disso, cancelamos a Sky aqui em casa temporariamente apenas por ela ser uma grande f#@$%¨da p#$%¨&.

Apesar de estar desolada porque estou precisando me virar nos trinta para não ficar louca, foi algo bem legal e assustador ao mesmo tempo; relembrar os ~nem tão~ velhos tempos e perceber como a tecnologia nos aprisiona. Em todo caso, sigo tentando ver o lado bom de tudo isso.

Esse post foi escrito na praça de alimentação do shopping perto de casa (enquanto tomava esse belo milkshake de café da foto, porque sem café a vida não vai) a única wi-fi grátis das redondezas. Depois disso dei uma atualizada nas redes sociais e agora é só torcer para que chegue logo semana que vem e que eu sobreviva até que tudo volte ao normal. Até lá, a praça de alimentação será meu novo local de trabalho.

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

LIVRO | A GAROTA NO TREM - PAULA HAWKINS

I.S.B.N: 9788501104656; Páginas: 378; Ano: 2015; Autora: Paula Hawkins; Gênero: Romance policial, suspense e mistério; Editora: Record.
Sinopse: Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d'água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. 
Avaliação: ★★★☆☆

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

LINKS I LOVE #1

Finalmente chegou sexta-feira e tenho certeza de que a maioria das pessoas que conheço ficarão em companhia do Netflix, certo? Separei algumas matérias que li durante essa semana para compartilhar com vocês e vale a pena dar uma lida.

quarta-feira, fevereiro 15, 2017

OITO PÔSTERES PARA QUEM É APAIXONADO POR CAFÉ

A maioria dos blogueiros que eu conheço, independentemente do nicho, tem um vício em comum: café. Eu sou uma dessas, tanto que na tela do meu computador a frase do momento é but first, coffee. Até pouco tempo eu achava que café era tudo igual mesmo que a marca fosse diferente, mas venho aprendendo com o tempo que isso é uma super mentira. Eu sou uma coffeeaholic - se é que existe essa palavra - declarada e ainda sonho em experimentar todos os tipos de cafés disponíveis no mercado sem ligar para a gastrite ou para a insônia.
Milca Abreu - Blog Sabe o inverno. Design by Berenica Designs.