segunda-feira, setembro 07, 2015

MEUS CLICKS: ENCONTRO DE VEÍCULOS ANTIGOS

Que eu sou apaixonada por coisas antigas não é lá muito novidade. Agora o que muita gente não sabe é que sou grande admiradora de carros antigos também. Não que eu entenda do assunto, aliás, eu não entendo quase nada de carros, mas, para mim, os modelos atuais nunca serão tão lindos quanto.
Aqui em Brasília tem o Museu da Memória Candanga que abriga diversos carros antigos e que estão em perfeito funcionamento. Na verdade, todos eles pertencem à alguém, mas eles meio que ficam em exposição no museu. Outro dia aconteceu um encontro do Veteran Car Club e a banda do meu noivo foi convidada a tocar lá e eu, aproveitei para tirar umas fotos para guardar de recordação.
Param o que estiverem fazendo e observem isso. Sim, você está vendo um De Lorean, aquele do De volta para o futuro. Juro para vocês que fiquei horas procurando o Doc, o Einstein e o Mart, porque né? 2015 e tal, mas não achei ninguém. 
Modelos preferidos
Tonhão ao fundo. Pertence a um amigo e apareceu na prévia de casamento que eu fiz.
Eu fiquei meio pirada em vários modelos e desejei eternamente ser rica e ter meu próprio Styleline ou Cadilac ou Maveric, mas ainda não será possível. Da exposição, os que mais me deixaram de boca aberta foram os quatro Cadilacs que, segundo eu ouvi, pertencem ao Nelson Piquet. Eles são incrivelmente lindos e a conservação é sem palavras, mas não consegui tirar uma foto decente, apenas porque eu esqueci de trocar a lente da câmera, estava com a 50mm e o espaço era pouco. Meus modelos preferidos de todos os tempos são os de 1960 para trás. Gosto de pensar na época e em toda a evolução, além do mais, eles me lembram filmes. 
Pode parecer estranho, mas eu realmente gosto de épocas passadas e gosto de conhecer como eram os costumes das pessoas, porque, assim, consigo entender muito do comportamento atual. Claro que tem muito o que conhecer, mas visitar essa exposição me fez viajar para um lugar que nunca vou conhecer, mas que eu gosto demais.

Acompanhe nas redes sociais

quarta-feira, setembro 02, 2015

TAG: SÉRIES

A Cíntia, minha amiga do coração, me marcou em uma tag, que sem dúvida, será uma das que mais vou gostar de responder. O início da minha relação com as séries datam de, aproximadamente, 1900 a. C. e é bem intensa. Já passaram tantas séries pela minha vida, que penso em me tornar especialista no assunto, mas, brincadeiras a parte, quero dizer que eu comecei a assistir séries muito novinha, quando eu nem sabia da existência da palavra "série" além daquela da escola.
Um breve resumo: mais ou menos em 1999, meu pai assinou uma TV a cabo chamada Tecsat e nessa época, meus canais preferidos eram Cartoon Network e Nickelodeon. As séries da Nick eram o máximo e eu passava tardes e mais tarde depois da aula vendo Sabrina e Clube do Medo. Depois, passei a amar as séries que passavam no SBT e na Warner, como The O.C., Três é demais e Friends e, não sei em que momento da vida, as séries da Disney. Sim, sou fã de Hannah Montada. E claro, só foram aparecendo séries e mais séries e hoje eu sou a louca que acompanha quinze de uma vez só. Então vamos às perguntas, senão converso o dia todo.
1- Qual é sua série favorita de todos os tempos?
Sempre será Game of Thrones. Não sei explicar o amor que sinto pela série, mas para mim, ela é a melhor série de todos os tempos.
2- Qual é o seu personagem preferido de todos os tempos?
Pergunta meio difícil de responder, mas acho que no momento, o que mais estou curtindo é o Cisco de The Flash. Ele é um fofo, engraçado, inteligente e faz as melhores caras e piadas. Mas também adoro a psicopatia do Norman Bates.
3- Cite uma série que você viciou?
Não tem como negar que a que eu sou mais viciada é Pretty Little Liars. É uma coisa assim que, eu não aguento mais todo aquele suspense, mas não aguento ficar sem saber o que rola. Também tem Bates Motel, que, como uma admiradora de Hitchcock, não poderia deixar de assistir. Mas também tem How to get away with a murder, que assisti em uma madrugada. Só mais uma? Scream. O. QUE. É. AQUELA. SÉRIE? Já estou escrevendo sobre ela e em breve postarei.
4- Cite um personagem que você tem algo em comum.
Eu não costumo pensar muito sobre isso não, mas na atual conjuntura super me identifico com a Zoe de Hart of Dixie, já que ela acaba indo por um caminho completamente diferente do que esperava e desejava na vida. No decorrer da série as coisas vão melhorando, mas ela é forçada a se adaptar a situações novas e a vida dela muda totalmente.
5- Cite uma série que todo mundo gostou (ou gosta) e você não.
Como as pessoas conseguiram gostar de Revenge? Parece novela da Globo. E Once Upon a Time, sem paciência!
6- Cite uma série pouco conhecida que você gosta.
Existem várias, mas, uma que eu quase não vejo ninguém falando é Orphan Black. Cara, essa série é muito boa e tem uma ideia muito legal, acho que deveria ser mais assistida e comentada, sabe. É o tipo de série diferente que, sem dúvida, as pessoas só não amam porque não conhecem. 
7- Qual sua série favorita dos últimos tempos?
Essa já foi respondida na primeira pergunta, mas vamos entender a primeira pergunta como "Qual série você considera a melhor de todos os tempos? E aqui nessa pergunta eu coloco as preferidas na minha lista: The Flash, Arrow, Demolidor, Sense8, The Walking Dead, Gotham, Scream, Big Bang... ai gente, não posso continuar, senão as outras séries vão ficar com ciúmes.
8- Cite um protagonista que você não gosta, mas curte a série.
Não consegui pensar em nenhum. Normalmente eu gosto dos protagonistas e se não gosto, não gosto de tudo.
9- Você assiste (assistia) alguma série brasileira?
Contos de Edgar. Apenas. Muito boa, assistam.
10- Qual foi a primeira série que você assistiu?
Foi há 84 anos e realmente não lembro, mas uma das primeiras foi Clube do Medo mesmo. E depois Friends.

Percebam que para mim é um grande problema citar apenas uma série em cada tópico, porque, na boa, não consigo. Filmes e séries são as únicas coisas que me fazem parar na frente da TV e eu realmente amo conhecer novas. Espero que curtam o post e deixo a dica de todas as séries aqui citadas para que você possam conhecê-las.


Acompanhe nas redes sociais

segunda-feira, agosto 31, 2015

BLOG DAY 2015

Shutterstock
Todo mundo inicia esse tipo post dizendo que ama blogar desde quando nem existia internet. Eu também amo, mas como já falei isso aqui mil vezes, é desnecessário repetir. Quero apenas dizer que hoje é Dia do Blog e para comemorar o Rotaroots propôs que fizéssemos uma lista com indicação de alguns blogs nos quais amamos.
Antes quero fazer uma breve declaração. Nesse quase um ano de The Winter is Now, muita coisa legal aconteceu e o melhor de tudo foi o escape que ele me oferece todos os dias. Ele será eternamente meu querido diário e o lugar para eu falar sobre aquilo que me acontece no meu dia-a-dia. Sei que ai fora a competição por views é grande e o dinheiro fala mais alto, mas não importa o que aconteça, meu blog sempre será meu espaço, onde eu posso simplesmente esquecer da vida e apenas falar de coisas legais. Acredito que essa é a real ideia de ter um blog. Ser vocês mesma e falar daquilo que ama.
Chega de falatório e vamos ao que interessa.

~~ blogs que não saem do meu feed
Meus gostos mudaram muito de uns anos para cá em vários sentidos. Quando comecei a acompanhar blogs, tudo o que eu amava era moda e beleza, mas depois de um tempo, simplesmente não me interesso mais por esse assunto. Um dos motivos é que já tem tanto do mesmo, que perdeu a graça. Então, atualmente, os blogs que representam melhor meus interesses atuais são:
~~ blogs que eu conheci no Rotaroots
Foi a melhor coisa que o Rota trouxe para mim. Com elas eu pude realizar o grande desejo de participar de um projeto fotográfico coletivo e além disso, tenho amigas em 6 cantos do país, mas que estão aqui comigo e posso contar com elas sempre.Além disso, os blogs delas são puro amor!

~~ blogs para sair da rotina
Hoje em dia, os blogs estão cheios de tudo que todo mundo fala e um copia do outro, o outro copia do um. É bem difícil encontrar algo diferente e legal ao mesmo tempo. Pois bem, os blogs abaixo com certeza te farão sair da rotina chata em que a blogosfera está enfiada.

Morri de sunga branca | Amiga, tou bonita? | Buzzfeed | Hypeness

Os dois últimos não são bem um blog, mas precisavam entrar na lista por serem meus sites preferidos. Você pode ver, também, os posts da galera do rota que estão nessa planilha.

Acompanhe nas redes sociais

quarta-feira, agosto 26, 2015

FUGINDO DE HOLLYWOOD: WHITE GOD (2014)

Eu adoro os chamados "filmes cult", sabe, desses que concorrem no Festival de Cannes e afins. Primeiro porque é sempre legal conhecer mais sobre a cultura de outros países (filmes ajudam muito nisso), segundo porque fugir um pouco de Hollywood faz bem e terceiro porque, normalmente, esses filmes abordam questões existenciais e sobre a relação do homem com ele mesmo e com o meio em que vive. Dei muita sorte de ter um noivo que ama filmes e também curte muito um cineminha cult.
Outro dia ele sugeriu que assistíssemos White God, um filme húngaro que concorreu no Festival de Cannes de 2014, além de ter sido um dos mais comentados. Ele é uma espécie de Planeta dos Macacos, porém a revolta é dos cachorros. Depois de uma lei local impor taxas altíssimas a cães de raças misturadas, muita gente passa a abandonar e adotar apenas cães de raça pura e isso faz com que o canil da cidade fique lotado.
Lili, uma garota de 13 anos vai morar com seu pai e ele, não feliz por ter que conviver com Hagen, o cachorro de Lili, e ainda ter que pagar para ficar com ele, o abandona na rua. Hagen e Lili começam uma busca pelo outro, no entanto, antes de se encontrarem, Hagen é vendido por um morador de rua a um treinador de cães de briga. Ele é transformado em uma máquina de matar. Quando finalmente consegue escapar, ele se junta a outros 200 cachorros que fogem do canil para se vingar de todos que fizeram algo de ruim a Hagen.
Até então, eu tinha certeza de que todos os dogs que participaram do filme eram "feitos no computador", mas descobri que são de verdade. Hagen é interpretado por dois cachorros gêmeos chamados Luke e Body e o mais legal é que todos eles foram adotados depois do filme.
O nome do filme, Deus Branco, é uma referência a um clássico chamado Cão Branco de 1982, que eu não assisti ainda, mas li que também é sobre um cachorro matador (de verdade). O diretor Kornél Mundruczó explicou que a história foi muito inspirada nas relações sociais inverossímeis e cada vez mais hostis dos dias de hoje. O senso de superioridade tornou-se um privilégio da civilização ocidental do qual é impossível não abusar. Em vez das minorias, escolhi os animais como tema do filme" e eu acredito que ele mostrou isso muito bem e a ideia de usar animais, para mim, foi genial.
As cenas inicial e final são absolutamente incríveis. Quando Lili está na bicicleta e quando só ela consegue acalmar todos os cachorros. É um filmes para realmente refletir sobre o quanto nos achamos a raça superior e utilizamos isso para pisar os menos favorecidos, em qualquer aspecto. A história do Hagen não é muito diferente daqueles que sofrem qualquer tipo de agressão dentro de casa ou em sociedade. A sociedade em que vivemos é completamente dividida, não é atoa que todos os dias lutamos contras o racismo, a homofobia. E ainda têm aqueles que por um motivo ou outro foram morar na rua e conheceram o que é um mundo realmente cruel. Enfim, White God têm mil interpretações, talvez seja por esse motivo que tanto gostei.

Acompanhe nas redes sociais
Milca Abreu - Blog Sabe o inverno. Design by Berenica Designs.