Posts in the category: Literatura

sexta-feira, março 27, 2020

A morte visita Lisboa - Fernando Perdigão

Sinopse: UM ASSASSINATO ABALA LISBOA. A vítima é uma imigrante brasileira e o detetive Andrade, de Copacabana, é chamado a colaborar na investigação. O policial de cor- panzil desconjuntado, temperamento irascível e retórica politicamente incorreta passa a protagonizar uma pregui- çosa, porém implacável, caçada aos criminosos. Destilando ironias, destratando colegas e pressionando testemunhas, Andrade devassa a comunidade de brasileiros expatriados, expondo segredos e vícios inconfessáveis. No caminho, acumula desafetos que, a contragosto, terão de se render ao seu “método” de tratar testemunhas como suspeitos e suspeitos como culpados. Um livro que mergulha em humor corrosivo o romance policial clássico, e toma partido disso para expor o preconceito e a intolerância na sociedade atual.

★★★★★/5

Recebi A morte visita Lisboa da Oasys Cultural, parceira aqui do blog e já era para ter saído a resenha há tempos, porém como eu disse nesse post, eu estou meio perdida em relação ao destino deste espaço lindo.

Bom, eu criei outro blog, porém aqui ainda terá várias atualizações, pois tenho algumas pendências com parceiros e compartilhar com vocês sobre essa leitura é uma dessas pendências e olha, que livro é esse?

A morte visita Lisboa é um livro um tanto interessante. Trata-se de um livro policial, porém com um detetive bem nem aí para o que está acontecendo. Preciso dizer que, como leitora assídua de livros policiais, A morte visita Lisboa me deixou impressionada pelo formato da história.

É daqueles livros que você chega ao final com uma sensação indescritível. Você só sabe que acabou de passar por uma história incrível com um personagem detestável, mas que você não consegue pensar em alguém diferente.

E amei o desenrolar da história e lá na capa de trás tem uma fala que define totalmente meu sentimento pelo Andrade: existem personagens que amamos odiar. É basicamente isso. Eu queria ser amiga dele. Andrade é um cara mau humorado igual a mim. A diferença é que eu não costumo destratar as pessoas, mas falou em ser irônica, aqui estou.

A questão maior que vejo em A morte visita Lisboa é que o Andrade é o retrato perfeito de grande parte da nossa sociedade. As intolerâncias que vemos no decorrer das nossas vidas é algo que já se tornou comum para quem pratica e para quem não liga para nada além de si mesmo.

É uma leitura bem tranquila, gostosa e que você com certeza vai amar. Os personagens secundários são muito divertidos e interessantes. Como eu disse, por ser um livro polcial você espera que tudo seja bem sério, mas aqui temos um tom de humor em cada página.
"-Hã? Ah, suas ex-empregadas. Como a senhora deve saber está havendo uma epidemia de mortes e o epicentro é o prédio construído por seu marido. A não ser que Dandra tenha um cemitério vudu no cubículo dela para enterrar a concorrência a polícia tem que considerar o óbvio."
Deixo aqui a minha recomendação e espero que vocês gostem e aproveitem a leitura assim como eu aproveitei.

Título: A morte visita Lisboa
Autor: Fernando Perdigão
Páginas: 296
Ano: 2019
Editora: Ímã
I.S.B.N: 9788554946142

Siga no Skoob.

terça-feira, março 03, 2020

Três Sóis - William Soares Dos Santos

“William Soares dos Santos (...), alcança neste volume maior densidade de sentido e abrangência temática, como se o poeta tivesse atingido o ápice do seu desempenho criativo.” Adriano Espínola, poeta membro da Academia Carioca de Letras
A relação entre o cosmos e a interioridade humana é o tema central do novo livro de poesias de William Soares dos Santos, vencedor do Prêmio Pen Clube do Brasil 2018 e finalista do Prêmio Rio de Literatura 2018 com Poemas da meia-noite (e do meio-dia) (Moinhos, 2017).
Dentro deste arco narrativo, o poeta divide seus versos em cinco partes, ou livros, de acordo sua unidade temática. Os títulos são: Três sóis, Eclipses, Os girassóis da juventude, O novo modus operandi do mundo, Memórias de junho e O jogo do poema. Cada livro é antecipado por uma gravura cuidadosamente escolhida, cujo significado simbólico – descrito em um glossário de figuras ao final do livro – dialoga com os poemas a seguir.
InconsequentesÉramos inconsequentes.Encantados com os jardins da primavera,nos esquecemos que a dor tambémviria nos visitar com a chegada do outono.
Poemas reflexivos, profundos, esclarecedores, místicos e até críticos no modo de viver no século XXI compõem este belo e riquíssimo livro de William Soares dos Santos, forte candidato a ganhar, na primeira leitura, o coração de seus leitores.
★★★★/5
A poesia é, sem sombra de dúvida, o meu calcanhar de Aquiles. Por anos tentei trazer a poesia para o meu cotidiano e confesso que foi uma luta imensa. Hoje, talvez com a maturidade, vejo a poesia de uma outra forma e Três Sóis veio para me mostrar que nunca é tarde para admirar a beleza dos poemas.

Três Sóis, do escritor William Soares dos Santos, é uma reunião de belas palavras usadas de uma forma incrivelmente sensível e encantadora. Nos leva dese reflexões rotineiras até conhecimentos de fenômenos naturais dos quais não temos aqui em terras tupiniquins.

São seis livros, o que costumeiramente chamamos de capítulos, independentes, mas que seguem um único objetivo. 

"Desejamos para esquecer,
para dar sentido à eterna lida,
ou para aprendermos que o que desejamos
não era um bem para a nossa vida?"

Não vou me estender quanto aos três sóis a que se refere, vou apenas resumir que é um fenômeno que acontece nos pólos do nosso planeta em alguns períodos do ano. Porém, sugiro a você, leitor, que dê uma pesquisada sobre isso, já que é algo impressionante e lindo. É algo que definitivamente eu preciso ver pessoalmente antes de morrer.
Quanto ao conteúdo de Três Sóis, William nos leva a seus pensamentos a respeito da vida, nos trás momentos de pura melancolia e nostalgia, além da crítica social. 

O livro IV, "O novo 'modus operandi' do mundo" é extremamente ligado à nossa realidade e ao fato de que grande parte das pessoas é movida a likes. A aceitação, hoje, é baseada na quantidade de curtidas numa foto e na quantidade de amigos nas redes sociais. Não na vida real.

"O que faremos
com tantas imagens 
em dispositivos eletrônicos
ou em nuvens de armazenamento
não assimiladas pelo tempo?"

O poema "Das mentiras que nos contam" é algo doloroso de ler, porém extremamente necessário. Sabe aquele homem de bem? A ideia de responsabilidade social? Pois bem, eu sempre tive em meu pensamento no quanto somos hipócritas nesse sentido. Acredito que não é necessário explicar do que estou falando.

Além da beleza das palavras, preciso citar o capricho que teve William na escolha das imagens que compõem a capa de cada um dos livros. São imagens que falam por si e que completam cada página. É prazeroso de ler, não é uma leitura arrastada e pode apostar que em poucas horas você devora esse livro.

Eu poderia passar horas escrevendo sobre a beleza que Três Sóis é. Mas preciso finalizar por aqui.

Espero que curtam de verdade a indicação de hoje.
Título: Três Sóis
Autor: William Soares dos Santos
Ano: 2020
Editora: Patuá
I.S.B.N: 9788582977743


Siga no Skoob.

quinta-feira, janeiro 16, 2020

O FUNDO É APENAS O COMEÇO - NEAL SHUSTERMAN

SinopseUma poderosa jornada da mente humana, um mergulho profundo nas águas da doença mental.
.
CADEN BOSCH está a bordo de um navio que ruma ao ponto mais remoto da Terra: Challenger Deep, uma depressão marinha situada a sudoeste da Fossa das Marianas.
.
CADEN BOSCH é um aluno brilhante do ensino médio, cujos amigos estão começando a notar seu comportamento estranho.
.
CADEN BOSCH é designado o artista de plantão do navio, para documentar a viagem com desenhos.
.
CADEN BOSCH finge entrar para a equipe de corrida da escola, mas na verdade passa os dias caminhando quilômetros, absorto em pensamentos.
.
CADEN BOSCH está dividido entre sua lealdade ao capitão e a tentação de se amotinar.
.
CADEN BOSCH está dilacerado.
.
Cativante e poderoso, O Fundo é Apenas o Começo é um romance que permanece muito além da última página, um pungente tour de force de um dos mais admirados autores contemporâneos da ficção jovem adulta.

★★★★★/5

Sabe aquele livro que você começa sem dar muita atenção e começa muitas vezes só porque ele está lá na estante te encarando? Então, O fundo é Apenas o Começo, comigo, foi mais ou menos assim.

Eu comprei faz um tempo, pois estava na promoção e confesso que nem lembro se cheguei a olhar a sinopse. 

Resolvi das uma chance a ele agora no início do mês e estou completamente apaixonada e sem palavras para descrever o quanto esse livro é necessário.

Além de livros policiais e de terror, eu também AMO livros que abordam temas como doenças psicológicas e psiquiátricas.

Eu faço tratamento para depressão, como a maioria de vocês deve saber, e já trabalhei como professoras de alunos especiais. Então para mim é super importante ler sobre esses temas e encontrar personagens que representam como nos sentimos.

Em O fundo é apenas o começo o autor Neal Shusterman não fala diretamente qual é o espectro em que o Caden está. Mas dá para entender que ele sofre de esquizofrenia.

No começo eu fiquei meio perdida sem saber que história era aquela de navio e capitão e papagaio. Depois tudo vai fazendo sentido e você passa a ligar os pontos e entender melhor.

A história toda é muito incrível e extremamente necessária. Entretanto algo que me fez admirar mais ainda o Neal Shusterman é que nas páginas finais ele explica que o livro foi baseado em sua experiência com seu filho, que é o responsável pelas ilustrações ao longo do livro.

Demorei um pouco para pegar o ritmo da leitura, mas compensou bastante e sem dúvida é um livro que todos deveriam ler. 

Entender o pouco que seja sobre esquizofrenia já é um grande passo para acabar com o preconceito e também para ter um pouco de empatia. É tudo que precisamos.



Título: O fundo é apenas o começo
Autor: Neal Shusterman e Brendan Shusterman
Páginas: 272
Ano: 2018
Editora: Valentina
I.S.B.N: 9788558890625

Siga no Skoob.


quarta-feira, janeiro 15, 2020

A MULHER NA JANELA - A.J. FINN

Sinopse: Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir. Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle? Neste thriller diabolicamente viciante, ninguém – e nada – é o que parece. "A Mulher Na Janela" é um suspense psicológico engenhoso e comovente que remete ao melhor de Hitchcock.
★★★★/5

Vocês também pegam o gancho de lançamentos de filmes e aproveitam para ler o livro? Eu costumo fazer muito isso, tanto com filmes quanto com séries. 

Desde que fiquei sabendo que em agosto sai a adaptação de A Mulher na Janela eu fiquei louca para ler o livro logo. Nem precisei andar muito. Precisei ir nas Lojas Americanas e lá estava ele em promoção. Não resisti e trouxe para casa.

Preciso dizer que, apesar de ter gostado da história no geral, o livro é bem previsível. Desde o início eu imaginava como seria o final e não foi muito diferente do que pensei.

Ainda assim, é um livro que vale a pena super de ler, pois é muito suspense do início ao fim e sim, a história te prende bastante.

Gostei da estrutura em que a história é contada, intercalando momentos do presente e do passado, que levaram Anna Fox a desenvolver o transtorno que a impede de sair de casa.

Fiquei me perguntando durante muito tempo o motivo pelo qual o marido da Anna Fox falava com ela tão tranquilamente no telefone, sendo que estão separados já há algum tempo. O motivo é bem interessante.

Mesmo a história sendo um pouco previsível, tenho certeza de que você ainda vai se surpreender com o final. E mais do que nunca os romances policiais me ensinam a não confiar em ninguém.

Uma coisa que não gostei de verdade é que o autor A. J. Finn enrola muito nos detalhes. Acredito que se ele fosse objetivo e direto o livro teria no máximo umas 150 páginas.

Mas dá para aguentar até o fim. Vai por mim.

Você já leu esse livro? Ficou sabendo do lançamento? Deixe seu comentário para eu saber o que você achou.

Título: A mulher na Janela
Autor: A. J. Finn
Páginas: 352
Ano: 2018
Editora: Arqueiro
I.S.B.N: 9788580418323

Siga no Skoob.



Milca Abreu - Blog Sabe o inverno. Design by Berenica Designs.