google.com, pub-2137531670819233, DIRECT, f08c47fec0942fa0 Outubro 2019 - Milca Abreu

quarta-feira, outubro 23, 2019

quarta-feira, outubro 23, 2019

A GAROTA NO GELO - ROBERT BRYNDZA

Sinopse: Seus olhos estão arregalados… Seus lábios estão entreabertos… Seu corpo está congelado… Mas ela não é a única.
Quando um jovem rapaz encontra o corpo de uma mulher debaixo de uma grossa placa de gelo em um parque ao sul de Londres, a detetive Erika Foster é chamada para liderar a investigação de assassinato.
A vítima, uma jovem e bela socialite, parecia ter a vida perfeita. Mas quando Erika começa a cavar mais fundo, vai ligando os pontos entre esse crime e a morte de três prostitutas, todas encontradas estranguladas, com as mãos amarradas, em águas geladas nos arredores de Londres.
Que segredos obscuros a garota no gelo esconde? Quanto mais Erika está perto de descobrir a verdade, mais o assassino se aproxima dela.
Com a carreira pendurada por um fio depois da morte de seu marido em sua última investigação, Erika deve agora confrontar seus próprios demônios, bem como um assassino mais letal do que qualquer outro que já enfrentou antes.
★★★★/5

Quantos títulos de livros você consegue citar que começam com "A garota no/na..."? Eu pelo menos cinco. E mesmo com títulos tão parecidos e histórias envolvendo o assassinato de jovens meninas, particularmente gostei e gosto muito desse tipo de enredo.

A garota no gelo foi uma leitura muito agradável e rápida, apesar de toda a crueldade envolvendo a morte da jovem Andrea Douglas-Brown.

Gosto de livros policiais, porque mesmo que eu nunca adivinhe quem é o culpado, acho maravilhoso bancar o Poirot desvendar junto com a polícia do livro o mistério sobre a morte de alguém.

A investigadora Erika Foster é a responsável pelo caso e, olha, é agoniante o modo como as coisas de desenrolam.
"Os detalhes do caso cresciam e se emaranhavam na cabeça de Érika como uma gigantesca cama de gato. Em algum lugar havia um elo perdido, algo que pudesse ligar o homem que tentou matar Erika a todas as outras mortes."
Algo que sempre me deixa incomodada nesse tipo de história é o seguinte: a (o) detetive é incrivelmente bom no que faz, depois de negar várias vezes a (o) detetive pega o caso. Ela (ele) segue sua intuição, é afastado do caso. Resolve tudo no final.

Entendo que o processo de escrita não é nada fácil, mas para mim, essa sequência já deu tudo o que tinha que dar. E quem continua lendo livros assim? Eu mesma!

Não sei explicar. É algo mais ou menos como: detesto, porém amo. Mais alguém? De qualquer forma, não deixa de ser uma boa leitura, que entretém e diverte, sem contar que a expectativa de descobrir quem fez o que é sempre uma delícia.

Eu curti bastante o enredo e achei legal que a Erika Foster seja a personagem principal, sempre é bom ter mulheres fortes e que acabam se impondo de uma forma ou de outra, provando que mulher pode sim.

Aliás, acredito que temos que ler mais literatura onde temos mulheres em posições naturalmente masculinas, é importante sim.

Fica aqui a minha recomendação e espero que gostem.

Título: A garota no gelo
Autor: Robert Bryndza
Páginas: 336
Ano: 2016
Editora: Gutenberg
I.S.B.N: 9788582354049

Compre na Amazon.

terça-feira, outubro 22, 2019

terça-feira, outubro 22, 2019

RESUMINDO A VIAGEM PARA OURO PRETO EM MINAS GERAIS

Caso você me acompanhe no Instagram pessoal, sem dúvida viu que passei uma semana maravilhosa em Ouro Preto-MG. Quando eu não tinha certeza se alguma vez na vida iria sair da minha cidade, eu costumava fazer uma lista de lugares que eu gostaria de conhecer. Ouro Preto entrou na lista depois que comecei a estudar Literatura na faculdade.

Lembro-me de várias viagens organizadas pela faculdade, mas eu nunca pude ir, já que a grana não era suficiente. Então ficava só no desejo. 

Agora finalmente consegui realizar mais esse sonho e só posso dizer que foi incrível. A cidade é tudo isso e muito mais. Confesso que foi algo meio que decidido sem pensar muito, mas foi a melhor coisa que fiz.

Uma das coisas que pretendo fazer aqui no blog é falar mais sobre viagens. Embora eu não faça muitas, normalmente uma vez por ano - agora que esto trabalhando em um emprego que me permite isso - acho que vale a pena contar minha experiência de mulher quebrada que só começou a viajar de fato depois dos 29 anos.


Minha passagem por Ouro Preto foi inesquecível e nos próximos posts eu vou contar cada detalhe dessa uma semana por lá.

Ficamos do dia 14 ao dia 18 de outubro e só foi possível graças ao calendário escolar aqui do Distrito Federal que nos deu uma semana por causa de vários eventos nessa semana. 


O Rodrigo também foi, mas como ele é um aventureiro, decidiu ir de moto e nos encontramos lá em Ouro Preto. Eu, claro, fui de avião e foi uma experiência ótima, já que nunca antes eu tinha feito uma viagem tão longa sozinha.

Agora se eu contar para vocês que no dia da viagem eu estava com a garganta doendo e com sinais de gripe, vocês acreditam? Pois é, primeira parada: farmácia. Consegui lidar com isso, mas sinceramente, tem coisas que só acontecem comigo.


No último dia, eu saí cedo para vir embora e nesse dia, uma sexta-feira, senhor amado, eu não estava aguentando de tantas dores.

Contudo a viagem foi totalmente incrível e pude conhecer todos os lugares que eu queria em Ouro Preto e mais alguns que eu não sabia. Outros que não entraram na lista com certeza em breve serão explorados. 

Aguardem os próximos posts que virão cheios de dicas de lugares para visitar, onde comer e tudo mais.

Até a próxima!

segunda-feira, outubro 21, 2019

segunda-feira, outubro 21, 2019

O CÉREBRO NO MUNDO DIGITAL - MARYANNE WOLF

O cérebro no mundo digital  Maryanne Wolf
Sinopse: O que acontece no nosso cérebro quando lemos? Como a multiplicação de telas nas nossas vidas afeta a forma como lemos? E quais os perigos – e oportunidades – da leitura digital? Essas questões são analisadas pela neurocientista norte-americana Maryanne Wolf. Com base em diversas pesquisas, a autora mostra a importância da leitura profunda na história da humanidade e como ela está ameaçada. Mas nos dá esperança: é possível educar as crianças para que sejam duplamente letradas, tanto em livros impressos quanto em leitura digital. Dessa forma, elas poderão aproveitar o melhor dos dois universos.
A neurocientista Maryanne Wolf recebeu diversos prêmios acadêmicos e é incansável defensora do letramento das crianças ao redor do mundo. Diretora do Center for Dyslexia, Diverse Learners, and Social Justice na UCLA (Universidade da Califórnia) e professora da Tufts University, é autora de mais de 160 publicações científicas

Que livro sensacional! Preciso começar assim, pois ele é resultado de uma pesquisa da autora e que nos mostra como o mundo digital nos faz perder o foco  das nossas leituras tão facilmente. O Cérebro no Mundo Digital é um livro rico em informações e importantíssimo ainda mais se você trabalha com leituras ou lê por pura diversão.

Algo que me chamou bastante atenção nesse livro é o fato de que ele reflete muito bem a minha vida como leitora. Eu adoro ler e é algo que faz parte do meu dia a dia, mas sei o quanto estar conectada faz a qualidade da minha leitura cair.

Esse livro é tão importante para mim que me fez refletir sobre como eu lido com minha vida digital e o quanto eu permito que ela me afete em vários aspectos da vida. Em entrevista Maryanne Wolf diz:

"Testei a mim mesma e foi realmente frustrante 
descobrir que eu estava me tornando cognitivamente impaciente, 
e com essa impaciência eu não conseguia 
ficar tão facilmente imersa em minha leitura. 
Então temos de tomar cuidado."

Jogo agora algumas perguntas para você: como você lê? Você consegue se desconectar e ler de forma profunda? Quando lê, você se envolve totalmente com aquela leitura e sente que realmente absorveu o conteúdo?

Comigo se tornou normal parar no meio de uma leitura e pegar o celular apenas para nada. E isso é horrível, triste, decepcionante. Sempre me sinto mal quando o faço e tento cada dia mudar isso, mas é difícil, confesso.

Como professora, pessoa que lida diariamente com adolescentes e jovens que estão muito mais conectados que eu é algo desesperador. Não há nada de mais em ser uma pessoa antenada, que entende de tecnologia e gostar de estar online. Mas querendo ou não, está mais do que comprovado que nossa leitura está ficando em segundo plano.

E pior, está cada dia menos profunda e proveitosa. Vocês têm noção do quanto isso é preocupante? 

"O que acontecerá com os jovens leitores que nunca encontram e entendem pensamentos e sentimentos de alguém totalmente diferente? O que acontecerá com leitores mais velhos que começam a perder contato com esse sentimento de empatia por pessoas com que não tê contato ou parentesco?"

A leitura não é algo natural, é algo que se conquista com o tempo. Quantas pessoas nós conhecemos que simplesmente não gostam ou não têm paciência para ler? Fico triste quando ouço isso, porque sei que dificilmente essa pessoa irá conseguir ter um hábito de leitura. Não importa qual livro indiquemos.

"Um erro grande e fundamental para - que teve muitas consequências infelizes para crianças, professores e pais pelo mundo afora -  é a crença de que a leitura é natural para os seres humanos e que ela simplesmente emergirá, completa como acontece com a linguagem, quando ela estiver pronta. Não é o caso; para a maioria de nós, os princípios básicos dessa invenção não natural e cultural precisam ser ensinados."

E cada dia mais fica complicado, pois as crianças de hoje praticamente já nascem com um celular na mão. Como a autora cita, a leitura precisa ser ensinada, a prática, o hábito de leitura precisa ser inserida na nossa vida, já que não é algo cultural nosso.

O cérebro no mundo digital é um ótimo livro e nos traz uma incrível reflexão a respeito do funcionamento do nosso cérebro nessa era que cada dia mais vai se tornando digital. 

Não é só pela questão da leitura. Às vezes tenho a impressão de que estamos ficando preguiçosos, porque toda a informação de que precisamos está a um Google de distância. Quanta informações falsas nós transmitimos apenas por ler um título de reportagem que não reflete exatamente a matéria escrita?

A preguiça de ir a fundo e pesquisar o que realmente acontece na nossa cidade, estado ou país é grande. As fake news comprovam tudo isso a cada dia. É triste, mas acredido e tenho fé que é algo que pode ser mudado. Talvez eu seja ingênua a esse ponto, mas ainda acho que somos capazes de mudar essa realidade.

segunda-feira, outubro 07, 2019

segunda-feira, outubro 07, 2019

COISAS PARA FAZER UMA SEMANA ANTES DE VIAJAR

Imagem: reprodução.
Com quanto tempo de antecedência você começa a se preparar para viajar? Eu particularmente gosto de fazer tudo com bastante tempo de folga para não fazer nada na correria. Sem contar que o processo de preparação é tão incrível quanto a própria viagem.

Como faz muito tempo que não escrevo um texto mais pessoal - e os últimos meses o blog foi sustentado por resenhas de livros - resolvi escrever esse post para ajudar mais pessoas que vão viajar e aproveitar para falar para vocês que: Ouro Preto me espera.

Já disse ali em cima que amo essa preparação. Arrumar as malas, decidir o que vou levar. São os pequenos, ou grandes, prazeres da vida e algo que de verdade me faz muito feliz.

Daqui uma semana vou viajar pela primeira vez para Minas Gerais, mas com Ouro Preto como destino. E ontem mesmo eu comecei os preparativos e pensei: por que não compartilhar no blog algumas coisas básicas para fazer uma semana  antes de viajar? Vamos lá?

  • Confirmar horários: é sempre bom confirmar com antecedência qual é o horário de embarque, ainda mais se você for igual a mim que é desligada e costuma confundir tudo. Eu sempre me preparo com base no horário do embarque, pois assim eu sei que horas vou sair de casa para não correr nenhum risco de atraso. Viajar de avião não é barato, então perder um voo está totalmente fora de cogitação.
  • Imprimir cartão de embarque: Não deixe nada para cima da hora, ainda mais algo tão importante que é o cartão de embarque ida e volta. Caso você tenha impressora em casa fica bem mais fácil, porém se você tem e ela está sem tinta (meu caso) ou mesmo se você não tiver, o melhor é imprimir alguns dias antes para não ter chance de dar errado. Trabalhamos para tudo dar certo.
  • Anotar o que vai levar: Fazer um check list das coisas que você vai levar é importante por diversos motivos, dentre eles: levar apenas o necessário e não esquecer nada importante. Meu check list está prontinho e vou apenas revisando ao longo da semana, mas já estou bem certa de tudo o que vou levar e olha, está bem minimalista.
  • Anotar roteiros: Por mais que você não vá seguir exatamente um roteiro específico, é legal anotar os pontos que você quer visitar. Ano passado quando fui para o Rio Grande do Sul, anotei todos os lugares que queria ir. Alguns não deram tempo e outros eu acabei esquecendo de ir e olha que tinha tudo anotado. Agora como vou ficar mais tempo na cidade, vou ter muito tempo e quero conhecer cada parte da beleza que é Ouro Preto.

BÔNUS:

Repito o que disse ali em cima, trabalhamos para dar tudo certo, por isso, uma coisa que eu recomendo e que funciona muito bem para mim é separar em primeiro lugar as coisas mais importantes. A mala é importante?  é, mas documentos pessoais também são.

Já coloque na mala ou bolsa que for levar na bagagem de mão seus documentos pessoais e dinheiro. Meu maior medo é chegar no aeroporto e perceber que esqueci algum documento. Já esqueci meu cartão de débito e chorei horrores, minha sorte foi que o Rodrigo me emprestou uma grana e devolvi para ele na volta.

Caso você queira acompanhar minha viagem em tempo real, estarei lá no instagram @milcaabreu e @blogsabeoinverno

quinta-feira, outubro 03, 2019

quinta-feira, outubro 03, 2019

5 MOTIVOS PARA ASSISTIR INACREDITÁVEL

Ultimamente estou bem seletiva em relação ao que assisto. Talvez seja uma fase, mas estou selecionando bem séries que vou assistir e mesmo os filmes. Não dá mais para perder tempo com uma séria de vinte episódios, dezoito temporadas, simplesmente perdi a paciência. 

O lado bom disso é que eu não fico mais com aquela sensação ruim de abandonar uma série na metade e, principalmente, estou vendo séries incríveis e que não são cheias de enrolação, vão direto ao ponto. A Netflix é apenas incrível por manter séries com 8, no máximo 12 episódios.

Uma das mais recentes séries que assisti foi Inacreditável, que estreou no último dia 12 na plataforma. A série é baseada em uma triste história real e faz uma sucessão de críticas em relação às questões femininas que tanto defendemos. 

Separei aqui alguns motivos para que você assista e espero te convencer de parar por algumas horas para dar uma oportunidade para essa beleza que é Inacreditável.


  1. Duas mulheres fodas: Toni Collette e Merritt Wever fazem o papel de duas detetives incrivelmente inteligentes. Duas mulheronas que vão até o fim para descobrir o que realmente aconteceu com todas as mulheres até finalmente pegar o criminoso.
  2. Enredo muito bem construído: não deixa brechas e o melhor de tudo, é direta e objetiva. Não tem aquela coisa de perder tempo com bobagem, as coisas simplesmente acontecem da forma mais completa.
  3. Faz você duvidar de todos: quem está acostumado a livros, filmes e séries de suspense e que têm um criminoso a ser pego, com certeza fica nessa de desconfiar de tudo e de todos. Confesso que em vários momentos eu desconfiei dos esposos, dos cargos altos e até mesmo dos pais adotivos.
  4. Trata de assuntos importantes como violência contra a mulher: E além disso, algo muito importante sobre o estupro, é a dúvida contra a vítima. Vemos muito isso na vida real o tempo todo. Infelizmente.
  5. Faz-nos refletir a respeito de como as vítimas são recebidas nas delegacias: talvez hoje em dia seja menos comum, mas era muito certo de que as vítimas de estupro e violência contra a mulher preferiam não registrar queixa, já que seriam destratadas por quem as recebesse para registrar o boletim de ocorrência. Fiquei impressionada como a Marie Adler foi desacreditada a ponto de responder um processo por falsa denúncia. Se você não sabe o caso foi real.
É uma série que faz jus ao título e que me deixou muito revoltada em vários momentos. Aquela sensação de pular logo para a parte em que a Marie finalmente vai ter uma vitória, sabe.

Apesar de triste e de saber que ao longo da história as mulheres passaram por tanto sofrimento por serem "inferiores", a série é muito interessante e é curtinha também, consegui assistir em um dia. 

Já assistiram? O que acharam?