google.com, pub-2137531670819233, DIRECT, f08c47fec0942fa0 Setembro 2019 - Milca Abreu

segunda-feira, setembro 23, 2019

segunda-feira, setembro 23, 2019

CRÔNICAS DESPIDAS E VESTIDAS - BETTY MINDLIN

Sinopse: A antropóloga Betty Mindlin compartilha nestas páginas suas experiências e impressões vividas entre povos indígenas e personagens intelectuais. O livro divide-se em duas partes. Na primeira delas, “Crônicas despidas”, a autora expõe uma variedade de assuntos relacionados ao universo indígena (vários povos aí contemplados). Com diversos mitos perpassando os relatos, suas crônicas despidas partem de suas próprias experiências teóricas e práticas entre os índios, que não cobriam o corpo em tempos antigos e para quem a nudez não era proibida. Nas “Crônicas vestidas”, personagens marcantes de diversas áreas do conhecimento – literatura, pintura, cinema – surgem, com “seus trajes habituais”, a partir do ponto de vista pessoal de Mindlin, por vezes com base na admiração que despertam nela, em outras, partindo de convivências verdadeiras. Assim, estas Crônicas despidas e vestidas são fragmentos do percurso de uma vida repleta de grandes momentos.

★★★★/5

Sair da minha zona de conforto literária é meta de vida e para isso tive que me livrar de vários pré-conceitos e abrir minha mente para navegar por assuntos que fogem do meu cotidiano.

Sou bastante fã de livros policiais e de terror/mistério, entretanto, desde que iniciei algumas parcerias com editoras e agências literárias, tenho procurado ler mais autores nacionais que escrevem sobre minorias e assuntos sociais. É extremamente importante para mim, como educadora, entender desses assuntos e estudá-los,


Dessa forma, quando vi no catálogo da Editora Contexto o livro Crônicas Despidas e Vestidas da antropóloga Betty Mindlin, fiquei bem curiosa para ler sobre o longo período de convivência da escritora com os povos indígenas.


Apesar do título indicar "crônicas", o livro não é realmente baseado em relatos do dia a dia da escritora, "o livro despido e vestido do título não descreve a situação indígena, não é uma narrativa, nem um balanço de sucessos e derrotas, ou uma denúncia, como a de Rubens Valente, em seu magnífico Os fuzis e as flechas. Contém alguns artigos já publicados, um bom número na revista Estudos Avançados. Os inéditos evocam relances, temas e pessoas que não couberam em nenhum relatório ou monografia, mas teimam em voltar à tona e à memória, livre expressão, como as velhas canções que de repente, sem motivo, entoamos depois de muito tempo." (Mindlin, blog da Editora Contexto).


Achei a proposta do livro incrível, quantas pessoas você conhece que viveram em uma comunidade indígena, nem que fosse por uma semana? O que sabemos a respeito dessas pessoas é o que a TV nos mostra, é algo bem superficial. E por mais que você não tenha aqui detalhes dessa convivência, você consegue sentir o quão especial é a relação.


Além disso, vou repetir aqui algo que eu sempre digo em relação a temas que fogem do nosso cotidiano: falar sobre é importantíssimo e eu vou fazer a minha parte divulgando livros como Crônicas Despidas e Vestidas.


Gostei bastante da leitura, pois mais uma vez pude viver dentro de um universo que não me pertence. Ler sobre povos indígenas nos faz refletir sobre o modo como essas pessoas normalmente são deixadas de lado, mesmo com toda a legislação garantindo os direitos mínimos e protegendo todos eles dentro do possível.

Hoje nós vemos com mais frequência os índios sendo retirados de suas terras para que nós, a população em geral, tenha todo o conforto que uma hidrelétrica pode oferecer. Assim como condomínios de luxo sendo construídos em terras sagradas para os indígenas.

É bem triste saber que é mais uma minoria não respeitada principalmente pelo detentor do maior cargo brasileiro de hoje.

Título: Crônicas despidas e vestidas
Autor: Betty Mindlin
Páginas: 216
Ano: 2019
Editora: Contexto
I.S.B.N: 978-85-520-0022-8

Compre na Amazon.

segunda-feira, setembro 09, 2019

segunda-feira, setembro 09, 2019

FEMINISMO NO COTIDIANO - MARLI GONÇALVES

Sinopse: Aqui o feminismo não é apenas mais uma teoria defendida na universidade, nem uma trincheira de políticos em busca de votos. Marli Gonçalves, combatente de primeira hora, sai uma vez mais em campo para ajudar mulheres e homens a praticar o feminismo, a lutar por uma sociedade mais justa. Marli foge dos teóricos da moda, assim como do(a)s político(a)s oportunistas. O feminismo que prega é o vivido, não apenas o pensado. Este livro é o presente ideal para mulheres e homens que queiram – ou precisem – aprender o que é mesmo esse tal de feminismo.
“O feminismo é um ideal e um movimento real, uma forma de pensamento e busca de ação abrangente para promover cada vez mais a igualdade de oportunidades entre mulheres e homens.”
“Para começar, homens e mulheres podem e deveriam se declarar feministas. A sociedade justa precisa ser construída por todos. Feminista é adjetivo bom para se definir, para chamar alguém, seja mulher ou homem.”
★★★★★/5

Como é bom ler sobre movimentos sociais e entender como eles funcionam. Depois de ler Feminismo no Cotidiano eu só consigo imaginar um exemplar dele sendo entregue em cada mão de pessoas que não sabem o que falam.

Já tive lá meus preconceitos com o movimento, mas a partir do momento em que você compreende que alguns absurdos são a exceção e não a regra você passa a admirar e querer cada dia mais que as mulheres conquistem seu lugar.

Feminismo no Cotidiano é basicamente um compilado de muitas informações que nós já vimos em algum lugar. Para quem estuda o feminismo, pode parecer que não trás muita coisa nova, mas vamos pensar naquela mulher que não  tem acesso a informação ou naquele homem que insiste em ser um idiota no cotidiano.

Precisamos sempre pensar além de nós mesmo, isso se chama empatia. Por isso, sempre que pensar em luta de classes, pense em você, mas pense também no outro, essa é a ideia de todas as lutas: interesse coletivo.

Já indiquei esse livro para várias pessoas e já tenho uma listinha de nomes para quem vou emprestar. Meu desejo mesmo era poder comprar e presentear muita gente com um exemplar, porque, sinceramente, são informações tão importantes e do nosso dia a dia que me impressiona o fato de ainda existirem tantas pessoas com pensamento retrógrado.

Aproveitando o assunto do livro, gostaria de citar a situação aqui do Distrito Federal em relação à violência contra a mulher. Esses dias eu estava assistindo a um jornal local e fiquei impressionada com os números. Não sei se é porque agora estão dando mais lugar para que a informação seja passada ou se realmente aumentou o número de feminicídio.

O caso do maníaco de Brasília chocou nosso país. Quantas vidas perdidas e quanta gente culpando as vítimas. É muito triste. Em uma reportagem do jornal Metrópolis, podemos ver 13 crimes registrados até maio desse ano. Sem contar os que não são registrados ou que, graças a Deus, a vítima conseguiu sair viva.

Nossa realidade está cada dia pior, mas eu torço para que as pessoas evoluam, sei que isso é possível.

Título: Feminismo no cotidiano
Autor: Marli Gonçalves
Páginas: 160
Ano: 2019
Editora: Contexto
I.S.B.N: 9788552001508

Compre na Amazon.

segunda-feira, setembro 02, 2019

segunda-feira, setembro 02, 2019

CHRISTINE - STEPHEN KING

Sinopse: Arnie Cunnigham era um perdedor. Rosto coberto de espinhas, desajeitado com as garotas, magro demais, passava os dias pelos corredores da escola, tentando fugir da gozação dos colegas. Isso até Christine entrar em sua vida. Amor à primeira vista. A partir desse dia, o mundo ganha novo sentido. Tudo o que Arnie quer é estar junto de Christine. Mas não se espere um novo Romeu e Julieta, tratando-se da mente assombrosa de Stephen King. Christine é um carro. Um Plymouth Fury 1958. Um feitiço sobre rodas que se apodera de Arnie e faz dele alguém diferente. Há algo poderosamente maligno solto pelas estradas de Libertyville. Uma força sobrenatural que vai deixando seu rastro de sangue por onde passa. Embarque nessa viagem assustadora e boa sorte.
★★★★★/5

Faz alguns dias desde que finalizei Christine e ainda não consegui tirar a história da minha cabeça. Ultimamente estou em um caso de amor com Stephen King e, mesmo sendo um livro mais antigo, eu nunca o havia lido e, sinceramente não conhecia a história.

A primeira coisa que você precisa entender antes de ler Stephen King é que ele cria todo um ambiente para poder desenvolver sua história. Ou seja, todos os detalhes desde o lugar onde a história se passa até o fio de cabelo perdido entre os lençóis de algum personagem.

Christine é um clássico das histórias de terror, tanto que virou filme. Quero dizer aqui que vi o filme depois da leitura, ou seja, esse ano. Como eu disse ali em cima, não conhecia a história antes disso.

Eu amo a escrita do Stephen King. Podem reparar no meu Instagram que ultimamente tenho lido muitos livros dele.

Christine é bem assustador. Talvez se eu fosse mais nova eu sentiria mais medo, mas ainda assim é bem bizarro você notar a mudança de personalidade do Andy depois que ele compra aquele carro.

Você vai enxergando aos poucos essa transição de um garoto bobo e cheio de espinhas para um cara cruel e respondão.

O interessante, também, é ver que o carro tem vida própria. Tudo muito bem explicado ao longo do livro, enquanto que no filme não explica nada o motivo de o carro ser "vivo".

Mesmo sendo uma leitura cansativa em alguns momentos, eu gostei bastante e é só mais um daqueles livros que você deseja que todos leiam.

Conte aí, você já leu ou tem vontade de ler?

Até mais.

Título: Christine
Autor: Stephen King
Páginas: 321
Ano: 1998
Editora: Objetiva
I.S.B.N: 9788573029000

Compre na Amazon.