segunda-feira, janeiro 28, 2019

COMO EU LIDO COM A ANSIEDADE

Eu já convivo com ela há muito tempo, mas nunca tinha conversado com ninguém a respeito. E por causa de vários preconceitos e mesmo falta de informação, nunca tinha buscado ajuda. Isso até pouco mais de dois anos atrás quando minha vida deu meio que uma desmoronada. Na época eu estava desempregada e, ainda que eu não estivesse passando necessidades, já que morava com meus pais, era muito complicado ficar sem grana e o tempo todo dentro de casa, mais precisamente no meu quarto.

Como tinha cancelado meu plano de saúde, não queria gastar um dinheirão com consulta e sofri muito até que minha mãe me falou que o postinho de saúde estava funcionando bem e que eu conseguiria marcar uma consulta com a médica de lá. Ela é clínica geral, então todo tipo de problema ela te ajuda como pode. Resolvi arriscar e contar para ela o que estava acontecendo.

O problema é que, já com a consulta marcada, meu único pensamento era que ela não acreditaria em mim. Eu chorava muito durante a noite e mal conseguia dormir, mas no dia seguinte eu estava lá, em pé, como se nada tivesse acontecido, porque precisava disfarçar. Bom, eu tinha certeza de que ela nem olharia para mim e eu sairia me sentindo igual ou pior. Infelizmente não dá para confiar muito no SUS até que ele te prove que sim, você pode. Conversei com ela e ela foi extremamente gentil e compreensiva. Até me surpreendi e hoje em dia digamos que estou 90% melhor do que os dias que antecederam aquela consulta.

O que eu sentia?

Desde muito nova eu tinha aquele velho problema de não dormir antes de uma prova na escola ou algo que saísse da minha rotina. Depois, já no meu primeiro emprego, me tornei uma pessoa muito estressada, agitada e não aceitava errar. Com isso ganhei uma bela gastrite, refluxo, perda de cabelo, sono em excesso e a ansiedade só aumentava. Achei que era coisa normal da idade, por causa do trabalho e deixei pra lá. Com o passar do tempo tudo piorou. Quando saí desse emprego, eu passei a odiar ter que ser sociável e o fato de encontrar pessoas conhecidas já era motivo para eu ficar nervosa, suar frio, ter dor no estômago e comecei a evitar as pessoas.

Além disso, eu normalmente sinto falta de ar, um caroço no corpo é motivo para eu não conseguir me concentrar em um filme, por exemplo; a cabeça não para um minuto, dormir é um sacrifício, já que antes do sono leve chegar todo tipo de pensamento ruim ataca minha mente. É bem comum com os ansiosos.

Minha vida profissional tem sido o maior causador de todos os problemas. Tenho imprensão de que gastei anos da minha vida com uma faculdade que não me serviu para nada. Sempre acho que sou uma pessoa detestável e por isso evito pessoas. Não gosto, não consigo e elas me irritam quase sempre. Muitas vezes é como se tivesse uma indigestão e que a comida ficou parada na garganta. E várias outras coisas.

Como a ansiedade afeta meu dia-a-dia e como eu tento lidar com isso?

Faço tratamento com remédios, só de pensar em ficar sem eles já é motivo para não conseguir fazer mais nada. Mas eu tento encher a cabeça com outras atividades. Tento não pensar na minha vida profissional, tento ver o lado bom das coisas e tento não deixar que comentários de outras pessoas me afetem negativamente. Funciona em 50% das vezes. Não baseio mais a minha vida no futuro e tento viver o hoje; além disso eu comecei a diminuir minhas expectativas e eliminar tudo o que me faz mal. Tenho muitos sonhos e procuro pensar neles com o pé firme no chão e também, aos poucos, estou deixando de me importar com as coisas que não tenho e me importar muito mais com as que tenho.

Estou tentando ver sempre o lado bom das pessoas e tento ser sempre uma pessoa melhor todos os dias. Quando estou de cara feia faço um esforço imenso para ver algo engraçado e me forçar  ao máximo para não deixar o ambiente na bad. Quando se convive com a ansiedade, você precisa lidar com o fato de que 295% das pessoas não vão te entender, muito menos querer ficar perto de um chato.

Confesso que nem sempre dá certo e grande parte do tempo eu to martelando algo na minha cabeça, mas sei que preciso lidar com esse monstro que mora aqui dentro de mim e que nem todo mundo compreende mesmo. Faço mais as coisas que eu amo, dentro do possível, e mesmo quando dá aquela vontade de parar tudo e não fazer absolutamente nada, eu ainda tento.

*Texto escrito em dezembro/2017. Hoje estou bem melhor da ansiedade, mas sei que esse texto pode ajudar alguém.
>

4 comentários:

  1. Eu sempre gosto de ler como outras pessoas lidam com a ansiedade, desde que fui diagnosticada e fui medicada, consigo lidar de um modo menos horrível com as crises, mas sei que não é fácil.

    Um beijo,
    Blog da Kitbox

    ResponderExcluir
  2. Oi Milca.
    Legal você republicar seu texto sobre a ansiedade.
    Realmente ao pensar em um tratamento no serviço público a gente acaba sentindo receio às vezes.
    Fico feliz que esteja melhorando.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Milca, como vai? Sabe que mais? Admiro demais sua coragem. A forma como você enfrentou a ansiedade é incrível Tenho a certeza que vai ajudar muita gente com suas palavras
    Um beijinho 😘

    ResponderExcluir
  4. Muito legal seu post,adorei sua coragem de ter exposto seu problema eu tenho certeza que vai ajudar muita gente com o seu relato. Você foi incrível! Você é forte! Te desejo muita saúde e felicidade.

    ResponderExcluir

Os comentários agora são moderados para eu conseguir controlar melhor.

Follow Us @blogsabeoinverno