segunda-feira, julho 22, 2019

,
Sinopse: A adolescente Hayley Kincain e o pai, Andy, passaram cinco anos viajando de caminhão, fugindo das lembranças que os assombram. Agora, estão de volta à cidade natal de Andy para tentar levar uma vida “normal”, mas os horrores que ele testemunhou na guerra ameaçam destruir a existência de pai e filha. De mãos e pés atados, Hayley é obrigada a vê-lo ser lentamente derrotado pela depressão, e se entregar às drogas e à bebida para calar os demônios interiores. É então que seu próprio passado vem à tona, e o presente se estilhaça... anunciando um futuro totalmente incerto.O que você deve fazer para proteger a vida de seu pai quando a morte o está rondando? Que atitude tomar quando os papéis de pai e filha se invertem? E o que acontece quando aquele garoto encantador e divertido entra no seu mundo sem pedir licença e, pela primeira vez, você se vê pensando no futuro?Atual, surpreendente, irresistível, A impossível faca da memória é Laurie Halse Anderson no seu auge
★★★/5

Recebi A Impossível Faca da Memória faz uns dois meses da Editora Valentina e não esperei muito para começar a lê-lo. Quando li a sinopse eu fiquei bastante interessada, primeiro por que eu nunca tinha lido nada que abordasse o tema, segundo por que assuntos familiares são sempre delicados.

Cada família é única. Gosto de ler livros que falam sobre particularidades familiares, pois é muito fácil, para quem está de fora, julgar comportamentos dentro de uma casa. Porém, nós não convivemos com aquele grupo, então precisamos sempre pensar antes de falar o que pensamos. Não só com relação à famílias, certo?

Estou sempre em busca de livros que me mostrem pontos de vista diferentes e que me façam sair da minha bolha.

Em A Impossível Faca da Memória temos uma família diferente das que estamos acostumados. Pai e filha. Um pai que vive atormentado pelas lembranças do período em que esteve na guerra. Por si só já é um tema delicado e que, aqui no Brasil nós não vemos.

Depois de tudo o que li e assisti sobre os problemas psicológicos enfrentados por ex-combatentes, compreendo bem a dificuldade que esse pai enfrenta. Além de ter uma filha a quem cuidar e com quem se preocupar. Ou pelo menos deveria.

A depressão não é abordada diretamente durante a leitura, porém ela está lá. Depressão é uma coisa tão desgraçada que faz com que a pessoa deixe de se importar mesmo o bem estar de uma filha menor de idade, levando-o a abandonar o emprego.

Engoli o medo. Ele está sempre ali, e ou você se mantém na superfície, ou se afoga.

Apesar de ser um livro bem atraente pelo tema o qual aborda, é preciso citar que a história tinha tudo para ser emocionante e importante em um contexto geral, porém ele se perde em meio a um romance adolescente. Sim, eu gostei bastante de ler esse livro, mas não achei que o romance que Hayley se envolve não acrescenta muita coisa.

Durante muitas páginas é tudo o que temos. Aquele clichê sobre como começa um relacionamento entre adolescentes que estudam na mesma escola.

Ainda assim, não deixa de ser uma leitura emocionante. Você enxerga bem o sofrimento de Hayley e de seu pai. Sem contar que uma figura do passado reaparece para piorar as coisas.

Não é uma leitura pesada, é até tranquila de ler. Faz você pensar o que faria se estivesse ali dentro daquele livro. No geral a leitura é super válida e interessante, por isso eu digo que mesmo que você, assim como eu, não curta muito toda essa coisa adolescente, dê uma chance, pois no final você entende a mensagem principal.

Título original: A Impossível Faca da Memória
Páginas: 352
ISBN: 9788558890243
Selo: Editora Valentina

Compre na Amazon.

terça-feira, julho 16, 2019

,

Sinopse: Este livro desvenda, de maneira clara e objetiva, as raízes e mecanismos da discriminação e do preconceito e suas implicações no exercício pleno da cidadania em nosso país. Escrito por dois militantes na luta contra a discriminação, o livro alerta contra atitudes preconceituosas e ações discriminatórias com as quais mantemos, freqüentemente, perigosa conivência. 

★★★★★/5

Estou cada dia mais convencida de que fiz a escolha certa ao criar esse blog para divulgar bons livros. Às vezes eu tento me convencer de que os preconceitos raciais, a homofobia, o machismo não são reais e que as pessoas que fazem esse tipo de coisa,  fazem unicamente para causar na internet.

Infelizmente não é bem assim. Infelizmente as pessoas conseguem atingir um nível de podridão inimaginável. Quando recebi Brasileiro é assim mesmo da Editora Contexto, pude entender como chegamos a 2019 e as pessoas ainda agem como se algumas vidas importassem menos que as outras.

O livro aborda de forma bem objetiva o quanto somos, no geral, em nosso dia a dia de fato preconceituosos.

Quando se diz, por exemplo, que toda mulher guia mal, e autor da afirmação se apresenta como homem, ele está, de fato querendo se colocar, por oposição, na condição de bom motorista, de motorista melhor que as mulheres. Mais ainda, o que ele procura é se identificar com o grupo de "homens" que, no seu discurso, forma um conjunto de motoristas superiores ao conjunto de motoristas formados pelas mulheres. Isto se constitui em atitude preconceituosa porque não há, absolutamente, nenhuma prova de que o simples fato de pertencer ao sexo feminino desenvolva nas mulheres alguma restrição intelectual ou motora que lhes dificulte a atividade de dirigir. E pode transformar-se em ação discriminatória (e, portanto, ilegal) se isso implicar em restrições à sua atividade profissional.

Confesso que estou prestes a emoldurar esse parágrafo e colocar na parede da minha casa e imprimir pequenos folhetos e entregar pela rua. É algo tão corriqueiro ouvir esse tipo de coisa que já se tornou normal. Mas eu ainda acredito que nós mulheres vamos chegar ao ponto em que não precisaremos mais lidar com frases ridículas como "só podia ser mulher".

Claro que Brasileiro é assim mesmo aborda vários outros temas com os quais estamos familiarizados. Só o título já é bastante sugestivo, concordam? Por que precisamos desse rótulo? A corrupção está cada dia mais escancarada e sendo denunciada. Não pense que só o político faz isso, viu? Levar a caneta do trabalho para casa, porque "a empresa tem muitas" é uma forma de corrupção.

Um capítulo interessante que gostei muito de ler foi "O Brasil imperial e o Brasil Real". Um capítulo curto, mas que abre nossos olhos para algo que sempre esteve aqui. Há quem diga que só os políticos de hoje nos roubam. Mas não é bem assim.

Se hoje vivemos com tantas denúncias contra a má aplicação do dinheiro público não pé com certeza, porque não houvesse corrupção naquela época, mas porque não havia liberdade de imprensa para que as denúncias fossem  publicadas. Quem se escandalizou com a ingênua e deslumbrante atitude do ex-ministro Magri ao "humanizar" a cadela levada ao veterinário em carro oficial, não teria como reclamar dos donos do poder, que cometiam arbitrariedades e irregularidades bem mais graves contando com o silêncio que o temos legitima para acobertar seus atos.

É o tipo de livro para darmos de presente para aqueles familiares sem noção, amigos que falam besteira em excesso e, também, um guia de como sermos pessoas melhores.

A Editora Contexto tem um catálogo tão incrível e tão a minha cara que não consigo expressar em palavras a gratidão por tê-la como parceira do blog.

Deixo minha recomendação aqui especialmente para o último capítulo intitulado  "O preconceito nosso de cada dia".

Título original: Brasileiro(a) É Assim Mesmo. Cidadania e Preconceito.
Páginas: 112
ISBN: 9788572440318
Selo: Editora Contexto.
Compre na Amazon.

segunda-feira, julho 15, 2019

,
Sinopse: Clara é uma mulher de meia-idade que parece ter tudo que precisa para ser feliz: é professora universitária, tem uma filha com quem se relaciona bem e um ex-namorado ainda presente. Todos se surpreendem quando ela decide dar uma pausa no cotidiano e, com o pretexto de aprender Inglês, viaja a Malta – pequeno arquipélago no Mar Mediterrâneo entre a Europa e a África.

Enquanto ainda no embarque no aeroporto Galeão, o passado ronda os pensamentos de Clara. Machismo, jogos de poder, traições, desencontros. Quantas violências e opressões cotidianas cabem na história de uma mulher? A temporada na ilha de belíssimas paisagens é capaz de curar cura feridas e promover poderoso reencontro de Clara consigo mesma. Ela também se entrega, com ousadia e libertação, a paixões inesperadas.

Fui pode parecer uma versão latina de Comer, rezar e amar, o best-seller de Elizabeth Gilbert. Mas o romance da experiente escritora Nilza Rezende vai além disso. Feminista sem ser militante e doce sem ser piegas, Fui é uma viagem caleidoscópica que permite conhecer um dos lugares mais belos e interessantes do planeta, mas também faz voos sorrateiros sobre o Brasil atual. Impossível não se deixar levar pela fascinante ousadia de quem descobre que sempre é tempo de realizar seus sonhos e ser feliz.
★★★★/5

Quando recebi a proposta para ler esse livro, confesso que fiquei um pouco receosa, visto que me lembrou muito "Comer, amar, rezar". Na própria sinopse é citado. Minha experiência com o livro de Elizabeth Gilbert não foi muito boa. Na época, eu demorei para conseguir ler e, sinceramente, não gostei tanto assim.

Mas preciso dizer que foi uma grande surpresa quando cheguei ao final de Fui com a sensação de ter tido uma das melhores experiências da literatura nacional atual.

Tudo bem que o fator "escritora brasileira" contribuiu bastante para esse resultado, mas, no geral, a história de Clara é muito interessante e divertida. Fiquei pensando que poderia ser eu ali, sem uma filha, lógico.

Gosto muito de ler histórias de brasileiros que viajam para qualquer lugar no mundo. É sempre um grande aprendizado e de certa forma acabo conhecendo uma cultura diferente através das palavras do escritor. Afinal, o meu amor aos livros é basicamente por esse motivo.

Os capítulos são bem curtos, coisa de duas páginas e você se prende naquele momento da leitura, você se envolve com os personagens. Além disso, um dos motivos pelo qual aceitei a recomendação de leitura pela Oasys - grande parceira aqui do blog - foi a frase "feminista sem ser militante e doce sem ser piegas".

Já comentei algumas vezes aqui no blog que sou sim feminista, porém não sou militante, então logo de cara me identifiquei; e sobre ser doce sem ser piegas? Nem preciso explicar.

Em vários momentos, a Clara conta situações em que passou durante sua viagem em que o machismo estava lá, presente e bem parecido com o que muitas de nós mulheres já passamos sem nem perceber.

O mundo é machista: quando se está sozinha e se é mulher, reservam para você o pior lugar. Sabem que você é bobinha e ficará constrangida de reclamar; enquanto aquele canto bem melhor, no hotel ou no restaurante, ficará disponível a homens ou a famílias, com potencial de consumo muito maior do que o seu e também, obviamente, com uma voz mais grossa para fazer barulho.

Eu gostaria de colocar aqui nesse post todas as frases de impacto que marquei no livro, mas ai eu teria que copiar basicamente o livro todo. É cada frase que em poucas linhas te ensinam tanto que chega ao fim da leitura você quer ser uma pessoa diferente.

Mandamento 2: Não aceite qualquer coisa que te derem. Veja, compare, busque o quarto de hotel, a mesa no restaurante, o canto do escritório mais conveniente a você. Não deixe passar, o prejuízo pode ser fatal.
____
Mandamento 20: Sorria na foto e na vida! Não há limite de idade para sorrir. Smile!
Sem dúvida foi um dos livros mais inspiradores que li esse ano. Não é só sobre viagem. É sobre liberdade, é sobre ser mulher e forte. É sobre viver da melhor forma e sobre escolhas.

No final das contas você percebe que não existe uma idade mínima para mudar sua vida.

Quero finalizar dizendo que o exemplar que ganhei da Oasys já tem um destino e depois outros: vou emprestá-lo a algumas mulheres incríveis da minha vida que precisam passar pela experiência de ler Fui, para que se inspirem também e sintam que ainda vale a pena lutar.

Título original: FUI
ISBN: 9788559080384
Selo: Tinta Negra.
Ano: 2019
Compre na Travessa.

quarta-feira, junho 19, 2019

,
Ansiosos pelo feriado? Nada melhor que um feriado na quinta-feira para enforcar a sexta, emendar o feriado e ver vários filmes ótimos. Aqui vou indicar filmes que já vi e garanto que são muito bons.

Meu feriado vai ser basicamente fazendo relatórios escolares, montando prova, já que semana que vem é semana de provas, atualizar diários, mas talvez sobre tempo para ver mais uns dez filmes. Aliás, na sexta vou fazer uma coisa que ainda é segredo, mas já já vocês ficarão sabendo. Sigam meu Instagram - pessoal e do blog - e vocês saberão na hora o que é.

Mas voltando ao assunto, para quê coisa melhor do que esse frio que está fazendo, cobertor, pipoca e filme? Vamos lá.
Mistério no Mediterrâneo (2019)

Um policial de Nova York (Adam Sandler) que finalmente leva a sua esposa (Jennifer Aniston) em uma viagem para a Europa prometida por anos. Porém, um encontro por acaso no voo com um homem misterioso (Luke Evans) leva-os a uma reunião de família no iate gigantesco do idoso bilionário Malcolm Quince. Quando Quince é assassinado, eles tornam-se os principais suspeitos neste jogo de detetive dos dias modernos.
 Cafarnaum (2018)

Aos doze anos, Zain (Zain Al Rafeea) carrega uma série de responsabilidades: é ele quem cuida de seus irmãos no cortiço em que vive junto com os pais, que estão sempre ausentes graças ao trabalho em uma marcearia. Quando sua irmã de onze é forçada a se casar com um homem mais velho, o menino fica extremamente revoltado e decide deixar a família. Ele passa a viver nas ruas junto aos refugiados e outras crianças que, diferentemente dele, não chegaram lá por conta própria.
 Cemitério Maldito (2019)

O Dr. Louis Creed (Jason Clarke), após se mudar de Boston para a zona rural do Maine com sua esposa Rachel (Amy Seimetz) e seus dois filhos, descobre um misterioso terreno indígena nos fundos da sua nova propriedade. Quando uma tragédia ocorre, Louis recorre ao seu vizinho, Jud Crandall (John Lithgow), e acaba iniciando uma cadeia de horrores que libera um mal insondável com terríveis consequências.
Vidro (2019)

Após os eventos de “Fragmentado”, Elijah Price (Samuel L. Jackson), também conhecido como Mr. Glass, descobre que David Dunn (Bruce Willis) está perseguindo Kevin (James McAvoy) e sua figura super-humana, A Fera. Em uma série de encontros crescentes, a sombria presença de Glass surge como um orquestrador que detém segredos críticos para ambos os homens.
 Obsessão (2019)

Frances (Chloë Grace Moretz) é uma jovem mulher cuja mãe acabou de falecer. Acabando de se mudar para Manhattan e cheia de problemas com o pai, ela forma uma amizade improvável com Greta (Isabelle Huppert), uma viúva bem mais velha que ela. Porém, conforme as duas se tornam melhores amigas, as atenções da viúva se mostram muito mais sinistras do que ela imaginava.
 Maligno (2019)

A repentina mudança no comportamento do jovem Miles (Jackson Robert Scott), faz Sarah (Taylor Schilling) suspeitar que algo maligno está agindo sobre seu filho e controlando suas ações. Com um crescente terror tomando conta de sua família, ela se vê entre o medo e a razão à medida em que tenta descobrir o que há de errado com ele.
 Escape Room (2019)

Passando por momentos complicados em suas respectivas vidas, seis estranhos acabam sendo misteriosamente convidados para um experimento inusitado: trancados em uma imersiva sala enigmática cheia de armadilhas, eles ganharão um milhão de dólares caso consigam sair. Mas quando percebem que os perigos são mais letais do que imaginavam, precisam agir rápido para desvendar as pistas que lhes são dadas.
 A Caça (2012)

Lucas acaba de dar entrada em seu divórcio. Ele tem um novo emprego na creche local, uma nova namorada e está ansioso pela visita de natal de seu filho, Marcus. Mas o espírito de natal desaparece quando Klara, uma aluna de cinco anos de idade, faz uma acusação de abuso sexual contra Lucas, o que desencadeia o ódio de toda a comunidade em que ele vive.
 Tudo Que Quero (2017)

O mundo é um lugar confuso para Wendy (Dakota Fanning), uma jovem, que apesar do autismo, é independente e brilhante. Wendy escreve histórias de fantasia em seu tempo livre. Quando ela descobre uma competição decide terminar seu roteiro e participar. Agora o problema é entregar o roteiro. Com seu pequeno cão e apenas alguns dólares no bolso, Wendy decide corajosamente ir em busca de seu sonho, embarcando numa aventura repleta de desafios e surpresas.
As Virgens Suicidas (1999)

Durante a década de 70, o filme enfoca os Lisbon, uma família saudável e próspera que vive num bairro de classe média de Michigan. O Sr. Lisbon (James Woods) é um professor de matemática e sua esposa é uma rigorosa religiosa, mãe de cinco atraentes adolescentes, que atraem a atenção dos rapazes da região. Porém, quando Cecília (Hanna Hall), de apenas 13 anos, comete suicídio, as relações familiares se decompõem rumo a um crescente isolamento e superproteção das demais filhas, que não podem mais ter qualquer tipo de interação social com rapazes. Mas a proibição apenas atiça ainda mais as garotas a arranjarem meios de burlar as rígidas regras de sua mãe.

Gostaram das sugestões? Sempre que vejo um filme novo eu coloco lá nos stories, estou sempre indicando novos filmes e séries por lá.

Além disso você pode me adicionar no Filmow para acompanhar todas as minhas listas.

Até a próxima.

segunda-feira, junho 17, 2019

,
Segunda-feira e enquanto estou aqui escrevendo sobre os vários livros que li recentemente, conheci por acaso um gato da internet que é bem diferente e lindo demais. Louis é um gato persa de 6 anos que está ficando famoso por causa da sua carinha de "estou sempre irritado".

Vocês sabem do meu amor por gatos, tanto que tenho três, e vivo olhando fotos e vídeos de gato no Instagram.

O que chamou a atenção no Louis é essa carinha dele. Parece que está o tempo todo irritado e quer distância de tudo e de todos. Esse lindo irritadindo vive em Austin, no Texas, com sua humana Michelle e sua irmã gata, Monae. Ao que tudo parece, ele não tem nenhum problema genético e sua carinha é assim porque é assim e pronto.

Apesar da cara dele, sua irmã, Monae é quem implica com ele. A relação, como diz Michelle, é de amor e ódio, logo, nada muito diferente da maioria dos gatos por aí.


Lindo, não é? Se você quiser acompanhar a rotina desses dois fofos é só seguir o Instagram deles.

Espero que curtam, até a próxima!

segunda-feira, junho 10, 2019

,
Sinopse: A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca relevância do aumento dos anos de estudo na vida do aluno, a crescente evasão escolar em todos os níveis, o aumento da distorção idade-série e tantos outros problemas são evidências disso. Mas onde se localizam as raízes teóricas da atual crise educacional que vivemos? Neste livro, o professor Ronai Rocha se dedica a desvendar e a compreender o pensamento teórico dominante no cenário educacional e pedagógico brasileiro. O autor realiza um movimento esclarecedor sobre as raízes da reflexão sobre educação no país, que incidem até hoje na formação de nossos professores. E mostra como uma maneira peculiar de ler Paulo Freire afeta o ensino no Brasil.


A Editora Contexto conta com um catálogo incrível para a formação de professores. Preciso me controlar para não pedir sempre os livros dessa seção, já que sou da área de educação e estou sempre buscando atualizações sobre o assunto.

O momento em que vive o Brasil atualmente é bem complicado para criticar ou defender ideias e digo que o professor Rocha foi bem corajoso ao trazer uma reflexão a respeito do modo como se lê Paulo Freire. Embora o livro seja de 2017.

Extremamente adequado aos dias atuais, ele propõe uma análise da forma como as ideias de Paulo Freire são aplicadas ao dia a dia escolar. Para quem não sabe, Freire é patrono da educação brasileira e era um grande pensador, estudado e admirado no Brasil e no mundo. Porém, tendo como base um pensamento socialista, ele propôs muitas ideias que, eu como professora atuante em sala de aula, acredito, estão sendo mal utilizadas.

Ao dizer em suas obras que "ninguém educa ninguém", Paulo Freire fez com que muito da autoridade do professor fosse anulada. Essa era intenção dele? Certamente não, porém a interpretação que se faz hoje dos textos dele são errôneas. 

É aquela velha história: a teoria é linda. Quando você vê na prática, temos alunos desrespeitosos, desinteressados e que mal mal estão aprendendo a escrever o próprio nome. Sim, já vi aluno errar a escrita do nome. 

Quero destacar, também, que muito do que Ronai Rocha propõe em seu estudo, vai contra muito do que eu penso. Por exemplo quando ele cita que a universalização do acesso à escola nos trouxe uma educação de baixa qualidade. A forma como ele coloca me fez entender que a escola não deveria ser para todos, mas continuar como era no passado, apenas para uma pequena parte da população. Corrijam-me se eu tiver entendido errado.

Além disso, ele cita que a escola é, por natureza, conservadora. É como se ele dissesse que a a escola - e o currículo - funcionavam antes e agora, depois que passou a ser mais democrática e acessível é que "desandou".

Confesso que tenho um problema muito sério em relação ao pensamento Freiriano, porém, sigo acreditando que é melhor que todos tenham acesso à educação, independente de ela ser boa ou não.

Para mim o pior de se ter o pensamento crítico social dos conteúdos como base, é que realmente você perde um pouco da autoridade enquanto educador, além de que a maioria das pessoas acreditam que o professor é responsável por 100% da educação da criança.

É um livro interessante, que traz uma reflexão muito boa a respeito do nosso sistema educacional atual e que, claro, tem pontos a discordar. Discordar é bom, gente. Você não precisa aceitar tudo o que te mostram como verdade. Você conhece a teria da caixa de bombom? Tem um vídeo no Youtube que explica essa metáfora e é a que eu levo para a minha vida. 

Nunca aceitar totalmente as ideias impostas e sigamos questionando tudo e todos.

Título original: Quando ninguém educa, questionando Paulo Freire
Páginas: 160
ISBN: 9788552000174
Selo: Editora Contexto.

segunda-feira, junho 03, 2019

,
Sinopse: É a história de Alma. Alma Pontes. Da tenra infância à idade adulta. Do telefone cinza ao aparelho celular. Inicia-se com a pequena menina estrábica, que aprende a mentir na brincadeira de telefone sem fio e que revida da vida ao cuspir nos sapatos engraxados de um homem estranho que se intitula 'pai'. Desenrola-se com a garota que possui relacionamentos com uma semelhança suspeita, sempre em paralelo, aos relacionamentos de seu irmão Mauro. Até chegarmos à narradora do início com o rosto refletido em um retrovisor, buscando sentidos no oráculo pagão que é a internet.
Uma tentativa de explicação ao que é tão difícil de explicar, tendo como pano de fundo os principais acontecimentos brasileiros dos anos 90 a 2000. Que passa pelo plebiscito sobre a monarquia; pela moda de dançar lambada, enquanto muitos tinham as economias ceifadas pelo Plano Collor; pela morte de PC Farias; pelo pedido de impeachment de Celso Pitta; pelo racionamento de energia durante o governo de FHC; pela eleição do Lula; pelo advento da internet. A narrativa traz muito sobre o modo de viver da classe média na cidade de São Paulo: a formação escolar, os apartamentos, as festinhas, as aulas de inglês, a faculdade, os empregos de vendedora no shopping, de jornalista, de professora de história, os freelas, as incertezas do quê pensar, com quem dormir, onde morar. (Por Ana Rüsche)

Faz um tempo que finalizei a leitura de "Telefone sem fio" e demorei para postar, porque confesso que ando meio desanimada com a vida. Mas isso é meio que normal por aqui. 

Para ser sincera, não é desânimo. Depois de um tempo me deu um bloqueio criativo e não estava conseguindo colocar as palavras para fora. Ultimamente estou assim, mas vamos falar de livros, porque isso sim me anima mais que tudo.

Recebi da Oasys Cultural o livro Telefone sem fio da escritora Vera Helena Rossi e eu adorei cada página. Mais uma vez fica aqui minha gratidão eterna à Oasys por me permitir conhecer escritores nacionais incríveis e que infelizmente não conhecia antes.

A Vera tem uma escrita singular. Em "Telefone sem fio" acompanhamos a história de Alma Pontes, onde ela mescla relatos de sua vida desde a infância até a vida adulta, e conversas atuais, dirigidas em muitos momentos ao leitor. Particularmente gosto muito desse tipo de escrita, em que o leitor faz parte daquele enredo.

Alma, desde pequenininha, gostava de brincar de telefone sem fio, lembram disso? Para quem chegou depois, nada mais é do que uma frase simples que é passada de ouvido a ouvido, por várias pessoas e no final é revelada qual era a frase inicial.

O interessante é que normalmente essa frase não chega como era no começo. E, aliás, para Alma o legal da brincadeira era justamente mudar alguma coisa ali no meio do caminho.

Alma Pontes nos conta sua história de uma forma que você acaba se identificando com aqueles conflitos internos vividos ao longo da vida. Como os nosso relacionamentos nos moldam e afetam nossa vida adulta. Como jornalista, a escrita é bem presente na vida dela e, no caminho para o cemitério ela decide relembrar várias fases de sua existência que a levaram até aquele momento.

Carlos desliza as mãos grandes sobre o volante. Desligo o rádio. Não sou sempre assim. Particularmente hoje guardo em mim uma porção horrorizada e desconfortável de mim mesma. Se soubesse que algum dia tivesse que passar por isso, talvez terminasse tudo antes. Mas agora, do que de resto ainda sou, consigo apenas me prender a esta imagem que me foge e a este riso filhadaputa. Não quero pensar, desabafar silenciosa isso de inexato que me acaba. Depois do que me ocorreu de madrugada, descobri que meu único desejo é narrar de alguma forma do que sou feita, rabiscar meu passado com a mão esquerda no intento de compreender a razão do meu choro seco.

A narrativa se passa desde o ano de 1990 até 2010, portanto, várias situações importantes no Brasil daquela época são relembradas. A profissão de jornalista faz com que ela conte muito daquela época. Os anos 90 foram um marco na nossa história. Tivemos o caso PC Farias, o confisco das poupanças, e tudo isso é citado em seus relatos.

Alma, vivendo com sua mãe, a quem chama carinhosamente de senhora da sombra larga, e seu irmão Mauro passaram por muita coisa. Ela e o irmão sempre foram bem  infelizes nos relacionamentos amorosos - o que acaba sendo um ponto importantíssimo de sua vida -, mas sempre tiveram boas amizades. 


Foi um livro muito gostoso de ler e o final foi emocionante, apesar de você conseguir imaginar ao longo da leitura de quem é o enterro que Alma está indo. 

Deixo aqui a minha indicação da semana e torço para que vocês se interessem por "Telefone sem fio". É um livro que faz você se apaixonar de verdade pela literatura nacional, pela riqueza que nós temos e normalmente não damos o real valor merecido.

À escritora (Vera): Obrigada por esse livro existir.

Título original: Telefone sem fio
Páginas: 216
ISBN: 9788582970850
Selo: Editora Patuá.

sábado, junho 01, 2019

,
Tirando as teias de aranha deste humilde blog para ajudar você, querida pessoa que sonha com a vida organizada, a se organizar no mês de junho. Antes eu gostaria de contar como tem sido minha experiência em manter um bullet journal em dia.

Desde o ano passado estou bastante empenhada em manter meu bujo certinho e atualizado. Confesso que tem horas que eu penso em deixar tudo de lado e não anotar mais nada. 

Mas, sabe, já virou um hábito. É tão relaxante parar algumas horas do meu dia para montar um layout novo, que acabo desistindo de desistir e no final, de um jeito ou de outro, consigo me sentir mais organizada com a ajuda dele.

Separei alguns lindos modelos que serviram de inspiração para mim e que certamente irão te inspirar também. 

bullet journal

bujo brasil

bujo ideias português

bullet journal portugues

bullet journal brasil



bullet journal português

bullet journal monthly

Vocês devem estar se perguntando onde está a foto do meu bullet journal, certo? Vou deixá-los curiosos, então se você quiser ver como ficou o layout do meu bujo de junho, recomendo que dê uma passadinha pelo meu Instagram (@blogsabeoinverno). Segunda-feira estará lá para que vocês vejam como ficou.

Espero que curtam esse post, até a próxima.

quarta-feira, maio 01, 2019

,
Até antes de assistir Doenças do Século 21, eu nunca nem tinha ouvido falar na maioria das doenças que a série apresenta. Impressiona o fato de que existam tantas doenças até então desconhecidas e que literalmente acabam com a vida de tanta gente.

Uma das doenças mostradas é causada pela radiação e pelas ondas elétricas que não vemos. Toda essa tecnologia, redes elétricas, fios de alta tensão causam muito desconforto e se você já assistiu Better Caul to Saul vai lembrar do personagem Charles "Chuck" McGill, que tem hipersensibilidade eletromagnética.

Já imaginou o que viver sabendo que o mínimo contato com o celular pode causar tantas dores e incômodos? E ainda ter que conviver com pessoas falando que é frescura. Não podemos duvidar do que a outra pessoa está sentindo, só nos resta respeitar.

Acredito que de tudo mostrado na série, a doença mais "aceitável" pela maioria das pessoas é uma doença adquirida por causa do mofo. Um dos especialistas complementa dizendo que a maioria dessas pessoas teve LYME - doença do carrapato - o que enfraquece o sistema nervoso e as deixa mais propensas a outras doenças.

Até hoje muitas pessoas duvidam que existam doenças como depressão, ansiedade, ataque de pânico. E olha que essas doenças são muito mais comuns hoje em dia, infelizmente. Agora você imagina tantas outras recém descobertas e que um número minúsculo de pessoas que as têm.

É só mais um grupo que será marginalizado durante muito tempo até conseguir voz. São as novas "frescuras".

É bem triste, mas essas doenças existem e a tendência é aumentar a quantidade de pessoas que as tem.

A série é bastante interessante e nos faz refletir acerca de como as coisas mudam de geração para geração. Ela é bem curta e está com uma temporada e aos fãs de documentários, coloquem na lista, depois contem o que acharam.

Até a próxima.

segunda-feira, abril 29, 2019

,
Sinopse: Não faz tanto tempo as mulheres eram classificadas em categorias como a “boa esposa”, a “moça de família”, a “leviana”, a “outra”, a “jovem rebelde”, a “rainha do lar”. Isso foi nos chamados Anos Dourados, apelido nostálgico do período que vai de 1945 a 1964 no Brasil. Neste livro fascinante a historiadora Carla Bassanezi Pinsky revela figuras de um tempo em que casar era indispensável, traições masculinas eram perdoadas em nome da harmonia conjugal e bons eletrodomésticos deveriam compensar a monotonia da existência das mulheres. Será que a sociedade mudou tanto de lá pra cá?
Estamos em uma época em que muito se fala em feminismo e luta de minorias, mas a maioria de nós mal sabe onde e por que tudo começou ou mesmo pelo quê estamos lutando.

Quero aqui deixar uma coisa clara que ninguém perguntou, mas eu sigo achando importante falar: eu não costumo levantar bandeira, nem ir para as ruas. Você vai me ver sim falando com frequência em assuntos como "leia mulheres", "mulheres, unam-se", "poder feminino", mas eu sou uma mulher que adora ser mulher e que ainda assim vive inúmeros problemas femininos, tais como ter 30 anos e não ser totalmente independente do meu marido (ele dirige, eu não).

Mesmo não gritando aos quatro ventos, eu defendo o movimento e luto pelo meu espaço nesse mundão.

Além do mais, sou uma mulher que cresceu em um lar cristão, branco, hétero e conservador, ou seja, tudo o que é o "certo", portanto preciso me desconstruir a cada dia. Não desistam de mim e é por isso agarro cada oportunidade de aprender como foi/é nosso papel na sociedade.

Em Mulheres nos Anos Dourados podemos dizer que temos uma compilação de absurdos que deveriam ter ficado em uma época, mas que se perpetua até hoje, talvez em menos intensidade, mas com grande impacto.

O famoso "Jornal das Moças" ditava como deveria ser o comportamento das meninas da época, o que não é tão diferente das revistinhas teen que existiam até alguns anos atrás.

Enquanto fazia a leitura, eu lembrava de quando eu era criança e ia para a igreja evangélica. Não quero falar mal, mas passei por péssimas situações dentro da igreja, principalmente quando o assunto era ser "mulher" (entre aspas, visto o fato que eu era uma crianças, mas era tratada como uma adulta). 

Muita coisa descrita ao longo de todo o livro, inclusive as piadas, que acontecia lá em 1950, acontecia ainda em 2002 no ambiente cristão. Era tudo tão parado no tempo. Uma roupa ditava quem você era.

Isso sem mencionar o papel das esposas. Impressionante o número de mulheres que me recordo hoje em dia que naquela época passavam por situações humilhantes apenas pelo fato de que deviam submissão ao marido. Os anos dourados devem ter sido duros e ainda bem que os tempos mudam.

Mulheres nos Anos Dourados é uma leitura incrível para que possamos aprender com o passado. É importante saber como foi antes para não cometermos os mesmos erros hoje em dia e também para notarmos o quanto a sociedade muda e evolui. Legal seria se todos lesse essa obra maravilhosa.

Claro que o livro trata de muitos outros assuntos, como namoro, infidelidade, métodos anticoncepcionais, sexualidade, etc. Apesar de muita opressão, também  tivemos muitas conquistas nessa época, no Brasil em 1960 chega a pílula anticoncepcional e muitos casais já fazem o uso para evitar gravidez indesejada, mesmo que isso fosse um ato condenado pela igreja católica. 

Estou recomendando a leitura para todo mundo, não importa de é mulher ou homem. Precisamos acabar de vez com a objetificação da mulher. Nós só queremos respeito e espaço.

Até a próxima.

Título original: Mulheres dos Anos Dourados
Páginas: 400
ISBN: 9788572448635
Selo: Editora Contexto

Compre na Amazon.

sexta-feira, abril 26, 2019

,
Vocês acreditam que eu quase esqueci desse post escondido aqui nos rascunhos? Já é quase dezembro de novo, a viagem está fazendo aniversário e eu nada de postar a parte dois. Você pode saber como foi a minha primeira Comic Con e pode ver também a primeira parte desse post já adianto que amei passear, mesmo que rápido por SP.

No segundo dia, mesmo já estando exausta, eu precisava conhecer o Mercado Municipal e comer aquele sanduíche imenso de mortadela. Não consegui comer um todo, lógico, e dividi com o boy. Antes de passar por lá, fomos na 25 de Março, mas como estava cedo, tudo estava fechado ainda, então aproveitamos para ver o Mercadão.

Finalmente tive a oportunidade de provar aqueles refrigerantes diferentões, comer aquele monte de frutas deferentonas e carérrimas, comprar um monte de biju baratinha, maquiagem quase de graça e andar no metrô lotado.

Voltando para casa, amo viajar de avião
Sei que esses três dias foram muito legais. Fiquei impressionada com muitas coisas, dentre elas a quantidade de esculturas que a cidade abriga. É um museu a céu aberto. Eu achava que Brasília era, mas me enganei. Estou verdadeiramente encantada com o valor cultural que São Paulo tem.

Estou planejando uma viagem de férias no meio do ano e quero voltar com mais calma para conhecer mais lugares com muito mais calma. Acredito que vale  muito a pena. Fiquei com a sensação de "tanta coisa no Brasil e eu querendo ir pra fora". 

Nosso país é lindo e confesso que depois de conhecer SP eu fiquei com muita vontade de viajar pelo Brasil e conhecer nossa cultura, sabe? Conhecer cada cantinho literário ou não. Enfim, esse post foi bem saudadinha.

Espero que tenham curtido.

Até a próxima.