quarta-feira, maio 01, 2019

,
Até antes de assistir Doenças do Século 21, eu nunca nem tinha ouvido falar na maioria das doenças que a série apresenta. Impressiona o fato de que existam tantas doenças até então desconhecidas e que literalmente acabam com a vida de tanta gente.

Uma das doenças mostradas é causada pela radiação e pelas ondas elétricas que não vemos. Toda essa tecnologia, redes elétricas, fios de alta tensão causam muito desconforto e se você já assistiu Better Caul to Saul vai lembrar do personagem Charles "Chuck" McGill, que tem hipersensibilidade eletromagnética.

Já imaginou o que viver sabendo que o mínimo contato com o celular pode causar tantas dores e incômodos? E ainda ter que conviver com pessoas falando que é frescura. Não podemos duvidar do que a outra pessoa está sentindo, só nos resta respeitar.

Acredito que de tudo mostrado na série, a doença mais "aceitável" pela maioria das pessoas é uma doença adquirida por causa do mofo. Um dos especialistas complementa dizendo que a maioria dessas pessoas teve LYME - doença do carrapato - o que enfraquece o sistema nervoso e as deixa mais propensas a outras doenças.

Até hoje muitas pessoas duvidam que existam doenças como depressão, ansiedade, ataque de pânico. E olha que essas doenças são muito mais comuns hoje em dia, infelizmente. Agora você imagina tantas outras recém descobertas e que um número minúsculo de pessoas que as têm.

É só mais um grupo que será marginalizado durante muito tempo até conseguir voz. São as novas "frescuras".

É bem triste, mas essas doenças existem e a tendência é aumentar a quantidade de pessoas que as tem.

A série é bastante interessante e nos faz refletir acerca de como as coisas mudam de geração para geração. Ela é bem curta e está com uma temporada e aos fãs de documentários, coloquem na lista, depois contem o que acharam.

Até a próxima.

segunda-feira, abril 29, 2019

,
Sinopse: Não faz tanto tempo as mulheres eram classificadas em categorias como a “boa esposa”, a “moça de família”, a “leviana”, a “outra”, a “jovem rebelde”, a “rainha do lar”. Isso foi nos chamados Anos Dourados, apelido nostálgico do período que vai de 1945 a 1964 no Brasil. Neste livro fascinante a historiadora Carla Bassanezi Pinsky revela figuras de um tempo em que casar era indispensável, traições masculinas eram perdoadas em nome da harmonia conjugal e bons eletrodomésticos deveriam compensar a monotonia da existência das mulheres. Será que a sociedade mudou tanto de lá pra cá?
Estamos em uma época em que muito se fala em feminismo e luta de minorias, mas a maioria de nós mal sabe onde e por que tudo começou ou mesmo pelo quê estamos lutando.

Quero aqui deixar uma coisa clara que ninguém perguntou, mas eu sigo achando importante falar: eu não costumo levantar bandeira, nem ir para as ruas. Você vai me ver sim falando com frequência em assuntos como "leia mulheres", "mulheres, unam-se", "poder feminino", mas eu sou uma mulher que adora ser mulher e que ainda assim vive inúmeros problemas femininos, tais como ter 30 anos e não ser totalmente independente do meu marido (ele dirige, eu não).

Mesmo não gritando aos quatro ventos, eu defendo o movimento e luto pelo meu espaço nesse mundão.

Além do mais, sou uma mulher que cresceu em um lar cristão, branco, hétero e conservador, ou seja, tudo o que é o "certo", portanto preciso me desconstruir a cada dia. Não desistam de mim e é por isso agarro cada oportunidade de aprender como foi/é nosso papel na sociedade.

Em Mulheres nos Anos Dourados podemos dizer que temos uma compilação de absurdos que deveriam ter ficado em uma época, mas que se perpetua até hoje, talvez em menos intensidade, mas com grande impacto.

O famoso "Jornal das Moças" ditava como deveria ser o comportamento das meninas da época, o que não é tão diferente das revistinhas teen que existiam até alguns anos atrás.

Enquanto fazia a leitura, eu lembrava de quando eu era criança e ia para a igreja evangélica. Não quero falar mal, mas passei por péssimas situações dentro da igreja, principalmente quando o assunto era ser "mulher" (entre aspas, visto o fato que eu era uma crianças, mas era tratada como uma adulta). 

Muita coisa descrita ao longo de todo o livro, inclusive as piadas, que acontecia lá em 1950, acontecia ainda em 2002 no ambiente cristão. Era tudo tão parado no tempo. Uma roupa ditava quem você era.

Isso sem mencionar o papel das esposas. Impressionante o número de mulheres que me recordo hoje em dia que naquela época passavam por situações humilhantes apenas pelo fato de que deviam submissão ao marido. Os anos dourados devem ter sido duros e ainda bem que os tempos mudam.

Mulheres nos Anos Dourados é uma leitura incrível para que possamos aprender com o passado. É importante saber como foi antes para não cometermos os mesmos erros hoje em dia e também para notarmos o quanto a sociedade muda e evolui. Legal seria se todos lesse essa obra maravilhosa.

Claro que o livro trata de muitos outros assuntos, como namoro, infidelidade, métodos anticoncepcionais, sexualidade, etc. Apesar de muita opressão, também  tivemos muitas conquistas nessa época, no Brasil em 1960 chega a pílula anticoncepcional e muitos casais já fazem o uso para evitar gravidez indesejada, mesmo que isso fosse um ato condenado pela igreja católica. 

Estou recomendando a leitura para todo mundo, não importa de é mulher ou homem. Precisamos acabar de vez com a objetificação da mulher. Nós só queremos respeito e espaço.

Até a próxima.

Título original: Mulheres dos Anos Dourados
Páginas: 400
ISBN: 9788572448635
Selo: Editora Contexto

Compre na Amazon.

sexta-feira, abril 26, 2019

,
Vocês acreditam que eu quase esqueci desse post escondido aqui nos rascunhos? Já é quase dezembro de novo, a viagem está fazendo aniversário e eu nada de postar a parte dois. Você pode saber como foi a minha primeira Comic Con e pode ver também a primeira parte desse post já adianto que amei passear, mesmo que rápido por SP.

No segundo dia, mesmo já estando exausta, eu precisava conhecer o Mercado Municipal e comer aquele sanduíche imenso de mortadela. Não consegui comer um todo, lógico, e dividi com o boy. Antes de passar por lá, fomos na 25 de Março, mas como estava cedo, tudo estava fechado ainda, então aproveitamos para ver o Mercadão.

Finalmente tive a oportunidade de provar aqueles refrigerantes diferentões, comer aquele monte de frutas deferentonas e carérrimas, comprar um monte de biju baratinha, maquiagem quase de graça e andar no metrô lotado.

Voltando para casa, amo viajar de avião
Sei que esses três dias foram muito legais. Fiquei impressionada com muitas coisas, dentre elas a quantidade de esculturas que a cidade abriga. É um museu a céu aberto. Eu achava que Brasília era, mas me enganei. Estou verdadeiramente encantada com o valor cultural que São Paulo tem.

Estou planejando uma viagem de férias no meio do ano e quero voltar com mais calma para conhecer mais lugares com muito mais calma. Acredito que vale  muito a pena. Fiquei com a sensação de "tanta coisa no Brasil e eu querendo ir pra fora". 

Nosso país é lindo e confesso que depois de conhecer SP eu fiquei com muita vontade de viajar pelo Brasil e conhecer nossa cultura, sabe? Conhecer cada cantinho literário ou não. Enfim, esse post foi bem saudadinha.

Espero que tenham curtido.

Até a próxima.

quinta-feira, abril 25, 2019

,
Pensamento do dia: a vida é muito curta para perder tempo assistindo série com vinte temporadas, mas se quiser pode. Com base nisso, corri para ver a série sueca Areia Movediça da Netflix. Ela tem uma temporada e seis sucintos episódios. A série é "baseada no best seller sueco de mesmo nome. A trama segue uma investigação de um massacre que ocorreu em uma escola particular em um luxuoso bairro de Estocolmo. Após a tragédia que devastou o país, uma jovem é acusada pelo crime."

Sem dúvida o assunto abordado é bastante pesado ainda mais depois de vermos acontecer tão próximo de nós. Até pouco tempo só acontecia fora do Brasil. Eu fico bem emocionada e comovida com histórias do tipo ainda mais que sou professora e tia de adolescentes nessa idade. É bem complicado pensar que ao mesmo tempo em que podemos ajudar não podemos fazer nada por eles.

Quanto aos personagens da série, confesso que fiquei esperando algo mais "grave", digamos assim, acontecer com o Sebastian. Tudo bem que ele ra um jovem problemático, mas a meu ver não ao ponto de fazer um massacre em sua escola. Ele tinha tudo para se recuperar. Se tivesse o apoio certo do pai ele tomaria um rumo.

O problema que eu normalmente vejo é que os adolescentes são impulsivos e romantizam o lado errado das coisas. Sebastian tinha um pai abusivo e que deixa claro que é um homem violento. Em dado momento a conversa se volta para a mãe do Sebastian e, não quero acusar, mas eu diria que ela foi assassinada pelo marido.

Geralmente quando ocorre um cado de tiroteio em escolas, é algum problema pessoal do atirador que já vem acontecendo há tempos. No caso de Areia Movediça foi tudo bem rápido. 

Apesar de todas as acusações, não acredito que Maja e Sebastian fossem tão prejudiciais um ao outro. No final eram só dois adolescentes sem limites impostos. O final é surpreendente. Eu não esperava e confesso que fiquei feliz com o desfecho. Não acho que  há margem para segunda temporada, e cada minuto da primeira já vale super a pena.

Espero que curtam a dica. Até a próxima!

segunda-feira, abril 01, 2019

,

Sinopse: Os grandes mistérios e maravilhas do céu noturno sempre nos fascinaram, intrigaram e divertiram, desde os primeiros passos na Terra. Hoje, continuamos nos esforçando para entender o nosso lugar no cosmos.
O século 20 foi palco de importantes e assombrosas descobertas sobre o nosso próprio planeta, o sistema solar, as estrelas e as galáxias. Contudo, ainda buscamos respostas para inúmeras questões – O que é matéria escura? Estamos sozinhos no universo? É possível viajar no tempo? –, e essa busca nos proporciona uma valiosa compreensão da vastidão e das infinitas possibilidades do espaço universal que ainda estamos por descobrir.
O universo, considerando-se a sua imensidão, pode ser assustador, mas neste livro de fácil compreensão embarcamos numa viagem incrível através de todas as descobertas astronômicas fundamentais, desde as resultantes de crenças de civilizações antigas até as oriundas de pioneiras e recentes observações das ondas gravitacionais, previstas por Einstein mais de 100 anos atrás. Nunca houve ocasião melhor para começar a entender os mistérios do universo, e este guia essencial do cosmos é o melhor ponto de partida!
Recebi esse livro da Editora Valentina faz alguns meses e lembro que quando ele chegou, eu já corri e li metade dele em um dia, mas acabei parando, não lembro o motivo. Sei que retomei a leitura e é simplesmente um grande aprendizado.

Quem nunca teve a curiosidade de pesquisar sobre o universo? Sempre achei que universo guarda muitos segredos e desde muito tempo eu leio aqueles artigos - simples - que contam algo a respeito. É muito interessante.

Em "A história do universo para quem tem pressa" você tem muitas informações desde o big bang - estamos falando aqui de ciência e não de religião - até detalhes sobre como é o solo de Plutão.

É um livro relativamente curto, mas que te fornece tanta informação que realmente é para quem tem presa.

Uma parte que me chamou muita atenção foi sobre a influência da lua. Aqui quero contar uma coisa que ninguém perguntou, mas que vou contar mesmo assim. Uma amiga de uma amiga minha conhecia algumas pessoas com doenças mentais e dizia que essas pessoas ficavam bastante alteradas durante as mudanças de fase da lua. Daí fiquei com aquele pensamento sobre lendas que escutamos quando crianças. Sim, pura viagem, mas sabe quando faz sentido?

Enfim, todos os movimentos dos astros nos influencia de alguma forma. O movimento que a lua faz está diretamente ligado às marés. Além disso a explicação sobre o equinócio é incrível.

Mesmo com tantas sondas enviadas para o universo, até hoje não foi detectada vida fora da Terra, o que é uma pena, já que eu tinha muitas esperanças (risos). Ao mesmo tempo em que eu queria que existisse vida lá fora, como nada foi encontrado, acredito que não tenha mesmo. Ou não foi divulgado, vai saber.

No livro "A história do mundo para quem tem pressa" você também vai encontrar informações bem objetivas a respeito de todas as sondas já enviadas. A sonda Voyager em 27 de março de 2019, a sonda somou 41 anos, 6 meses e 22 dias em operação e foi a primeira a alcanças o espaço interestelar - informação confirmada pela NASA. Impressionante, não?

É um livro muito bom, de verdade e que eu recomendo demais a leitura.

Fiquei doida para ler os demais livros da coleção "Para quem tem pressa", certamente são ótimos livros.

Espero que curtam e até a próxima.


Título original: The Universe in Bite-Sized Chunks
Páginas: 216
ISBN: 9788558890762
Tradutor: Milton Chaves
Selo: Editora Valentina


Compre na Amazon.

quarta-feira, março 27, 2019

,
É muito difícil esquecer um crime bárbaro. É o tipo de coisa que impressiona, assusta e te deixa sem chão, ainda que não tenha acontecido com alguém que você conheça. Embora nem todos os assassinatos brutais sejam divulgados amplamente, sabemos que é algo bastante comum, ainda mais em cidades pequenas. 

Lembra do caso Isabella Nardoni? Mesmo que você tenha nascido em 2010, sem dúvida já ouviu falar nesse nome. Já outros, como Ives Ota, raramente as pessoas lembram, embora tenha sido tão cruel quanto. 

A série apresenta vários casos que chocaram o Brasil e até hoje nos deixa assustados com a maldade humana e mostra que nós nunca iremos conhecer alguém 100%.

Comecei a ver essa série quando ainda passava no canal AXN. Gostei muito quando foi para a Netflix e mais ainda porque está na 4ª temporada. Quem dera tivesse ficado só na primeira, mas infelizmente não estamos livres de crimes chocantes. O ser humano consegue ser muito cruel.
Um dos casos que a série apresenta é o da Liana. É um caso triste, doentio e gerou bastante polêmica em relação ao Champinha, assassino e estuprador. Quando vocês ouvirem esse nome, Champinha, por aí, certamente virá acompanhado de "nem o pai da Liana é a favor da redução da maioridade penal", frase totalmente falsa, já que na série ele é sim a favor da redução.

Demorei bastante tempo para finalizar a série, já que é preciso muito estômago para assistir a um conteúdo tão pesado. As temporadas são curtas, cerca de oito episódios, mas chega uma hora que, mesmo amando investigação criminal, não dá para aguentar tantas pessoas ruins nesse mundo.

Investigação Criminal é uma série importante para que possamos entender o um pouco o que passa na cabeça das pessoas e também para prevenir que outros casos se repitam. Lógico que nada impedirá novos crimes, mas saber mais ou menos como pensa e age um psicopata, nos faz ter mais cuidado no contato com pessoas desconhecidas.

Até a próxima.

segunda-feira, março 25, 2019

,
Sinopse: “Filosofar nunca foi sobre deixar você feliz. É que andam mentindo muito por aí. Filosofar está mais ligado ao despertar do sonambulismo. Essa é minha proposta nesta conversa com você.”

“Seguiremos em direção a um mar profundo, muito distante do que o senso comum assume que o mundo seja. O mundo não é um mar calmo de evidências. É um oceano cheio de pequenas tempestades a serem vencidas. O cotidiano nesse percurso não é a mera passagem das horas, é o cotidiano contemporâneo, permeado pelo caráter histórico desta época em que vivemos.”

“Somos seres muitos mais acanhados em nossa natureza do que a aberração feliz postada nas redes sociais (e na publicidade em geral). Suspeito mesmo que a própria ideia de felicidade se tornou uma variável patogênica em si.”

“Quem tem medo de sofrer é incapaz de desejar.”

“Leitura é um hábito anormal, se ‘normal’ for ser igual à maioria.”

“A obsessão pela felicidade faz de você um chato. Como escapar dessa armadilha? Escolher o fracasso? Não precisa, ele te achará. Viver sem fórmulas é o desafio.”
Faz algumas semanas que recebi da Editora Contexto - nova parceira do blog - o livro "Filosofia do Cotidiano". Preciso dizer que fiquei um pouco receosa de ler quando vi que era do Luiz Felipe Pondé por causa das posições políticas dele. Porém, não quero JAMAIS ser o tipo de pessoa que só lê aquilo que concorda 100%.

Mesmo discordando de vários pensamentos dele, acho importante não viver em uma bolha, afinal, não é só o meu pensamento que está certo - ou errado.

Em "Filosofia do Cotidiano", mais recente livro do Luiz Felipe Pondé, são abordados os assuntos mais triviais do dia-a-dia e nos leva a refletir a respeito de coisas que fazemos e normalmente não nos damos ao trabalho de pensar sobre.

Algumas frases do livro são bem dolorosas de ler, já que elas vão vem na dura realidade. Particularmente adoro filosofia e é algo que deveria estar mais presente na vida de todos nós. Como ele diz em determinado momento, a "filosofia está mais ligada ao despertar do sonambulismo" e isso dificilmente nos deixará feliz.

Seguindo uma linha de pensamento bastante conservadora, o escritor propõe um pensamento acerca de vários assuntos tanto voltados para a religiosidade, e o fato de as pessoas se manterem céticas, questões sociais e familiares. 

Ao dizer a expressão "despertar do sonambulismo", ele quer dizer algo como deixar de lado nossos dogmas para, assim, enxergar a realidade. Acredito que seja mais ou menos como um psiquiatra que tem a ciência e sua crença em algum ser superior, ele não vai misturar os dois mesmo porque nem todo paciente é igual.

Concordo com esse fato e não é porque eu acredito que Deus existe que simplesmente vou ignorar a física, a ciência e todos os conhecimentos conquistados ao longo de décadas. Essa é a ideia de despertar.

No que diz respeito a questões sociais e familiares, confesso que li os capítulos 5 e 12 com muita raiva. Lembram quando o vice-presidente declarou abertamente que uma criança que cresce sem um pai, uma figura masculina, tende a se envolver com a criminalidade (mais ou menos assim)? Pois bem, aqui, Pondé deixa clara a sua concordância. 

Quando o assunto é empoderamento feminino, ele faz parecer que mulheres que decidem tocar a vida sozinhas são solitárias. Claro que ele aponta os dois lados, mas acho que é uma questão bem delicada para explicar em duas páginas.

No geral, se trata de uma ótima leitura, com 24 capítulos curtos - cerca de duas páginas e meia - em que é possível tirar muita coisa boa. Precisamos estar abertos a várias opiniões, afinal vivemos em uma democracia e em um país livre. 

É impossível agradar a todos o tempo todo. As divergências servem para crescimento, desde que colocadas de forma saudável. 

Fica aqui a minha indicação, em um dia você termina a leitura. Espero que tenham curtido.

Até a próxima.

Título original: FILOSOFIA DO COTIDIANO
Páginas: 128
ISBN: 9788552000839
Selo: Editora Contexto

Compre na Amazon.

segunda-feira, março 11, 2019

,
E aí, como foram de carnaval? Eu fiquei em casa mesmo e deu para descansar muito. Até demais, eu acho. Agora que passou, dizem por aí que o ano começou oficialmente. Para mim já começou faz tempo, mas parece que realmente tem um clima diferente no pós-carnaval.

Hoje vou compartilhar com vocês um passeio que fiz no início do ano, ainda durante as férias. O Salto Corumbá fica aqui pertinho, no Goiás, e é lindo. Particularmente eu adoro o cerrado e amo cachoeiras. 

Sempre ouvi falar sobre e a vontade de ir era enorme. Finalmente conseguimos um tempinho e fomos. Eu costumo dizer que a Lei de Murphy comigo é infalível, talvez isso até atraia más energias, mas é a verdade. Justo no dia em que decidimos sair de casa, viajar por quase duas horas e aproveitar uma cachoeira, choveu. Choveu e fez frio.

Eu sabia que lá era um lugar com cachoeiras, mas não me atentei ao fato de que são várias trilhas para chegar até elas. Fui de chinelo e olha, não façam isso. Aguentei firme, mas de tênis teria sido bem melhor.

Agora vamos ao passeio. O Salto Corumbá, como eu disse, fica aqui pertinho, mais precisamente a 120km de Brasília e possui cachoeiras lindíssimas. A maior delas, a Cachoeira do Salto, possui "50 metros de queda d’água, que formam a principal cachoeira que temos em nosso parque: a Cachoeira do Salto. Toda a sua exuberância, formada pelo Rio Corumbá, oferece aos visitantes a possibilidade de se refrescarem e reenergizarem, sentindo e contemplando aquilo que de mais belo o nosso Cerrado e a Natureza em si têm para oferecer.

Não canso de dizer o quanto amo mirantes. Para chegar até lá você precisa fazer uma trilha, ela fica no caminho para as cachoeiras. A vista é linda e não liguem para a minha cara de sono/cansada/acabada, sempre que tiver post que contenham piscina/cachoeira, minha cara será essa. Além disso, eu não estava preparada para andar tanto (sedentária).


Uma coisa importante de citar é que lá tem restaurante com uma comida incrível e com preço bom. É self service, no peso, R$35 se não me engano. E também têm várias outras atividades para fazer por lá, tirolesa, por exemplo e tem muita atividade para crianças. Se você curte toboágua lá também tem. É possível se hospedar em pousadas ou no camping. Talvez eu faça um dos dois futuramente. 

Apesar de amar a praticidade de fotografar com celular, ultimamente estou bem chateada com a qualidade das fotos. Prometo que vou pegar o costume de levar a câmera para os lugares que eu for. Algumas fotos daqui foram tiradas com câmera, outras com celular.

Fica aqui a minha dica de passeio para quem mora aqui nas redondezas. Pretendo voltar lá em breve e irei preparada.

Ah, pagamos R$50 cada para entrar. Mais informações você pode acessar o site do Salto Corumbá.

Espero que tenham curtido.

quarta-feira, fevereiro 27, 2019

,
Carnaval chegando e por aqui vou só aproveitar os dias de folga. Pretendo ler bastante, assistir algumas séries que estão atrasadas e comer muita besteira.

Pensando nas pessoas que, assim como eu, vão ficar em casa curtindo o bloco unidos da Netflix, separei alguns livros que são bem curtinhos e que você, com certeza vai ler antes mesmo do fim do feriado. Vamos lá.

1 - Tormento (John Boyne) - Danny Delaney curtia tranquilamente as férias, até que sua mãe volta pra casa tarde da noite, escoltada por dois policiais. Ele logo percebe que algo terrível aconteceu. A sra. Delaney havia atropelado um garotinho, que agora está em coma e ninguém sabe se vai acordar. Consumida pela culpa, ela se isola de todos ao seu redor. Caberá a Danny e seu pai impedir que a família se despedace.

2 - O Alquimista (Paulo Coelho) - Quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que você realize seu desejo. De tempos em tempos, surge um livro capaz de mudar para sempre a vida de seus leitores. "O Alquimista" é um deles.
Com mais de 65 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, o mais famoso título de Paulo Coelho já se estabeleceu como um clássico moderno, atemporal e universal, que segue fascinando públicos cada vez maiores, de diferentes gerações. Simples, sábia e inspiradora, esta história refaz os passos de um pastor da Andaluzia que viaja para o deserto egípcio em busca de um tesouro enterrado nas Pirâmides. O que começa como uma jornada para encontrar bens materiais torna-se uma descoberta das riquezas que escondemos dentro de nós mesmos. As belas lições que Santiago aprende ao longo do caminho nos falam da sabedoria de ouvir o que diz o coração, de ler os sinais com que deparamos ao longo da vida e, acima de tudo, da importância de seguir os nossos sonhos.

3 - A Natureza das Coisas (Marília Passos) - A natureza das coisas é um título que revela ao esconder. Com uma trama direta, discorre a condição emocional e psicológica sem alarde. No entanto, a profundidade dos sentimentos, a intensidade das descobertas e o peso das escolhas são temas que percorrem cada linha. As atitudes de seus personagens refletem um mundo em que as aparências se igualam a sonhos. Quando acordamos, vemos quem somos e podemos seguir adiante ou optar por viver numa ilusão falha. Ao mesmo tempo em que o leitor sente empatia, encontra uma reflexão leve na superfície e tremenda no interior sobre como nos relacionamos, incluindo com nós mesmos.

4 - Extraordinário (R. J. Palácio) - August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela e uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações medicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... ate agora. Todo mundo sabe que e difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tao diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele e um menino igual a todos os outros. R. J. Palácio criou uma historia edificante, repleta de amor e esperança, em que um grupo de pessoas luta para espalhar compaixão, aceitação e gentileza. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade um impacto forte, comovente e, sem duvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo o tipo de leitor.

5 - Passarinha (Kathryn Erskine) - No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. É isso que seu irmão, Devon, sempre tentou explicar às pessoas. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai - a si mesma e todos a sua volta -, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido. Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários, que considera fáceis por estarem repletos de fatos, preto no branco. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. E Caitlin está determinada a consegui-lo. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso mas belo. Um livro sobre compreender uns aos outros, repleto de empatia, com um desfecho comovente e encantador que levará o leitor às lágrimas e dará aos jovens um precioso vislumbre do mundo todo especial dessa menina extraordinária.

Já leram algum da lista?

Espero que curtam, até a próxima.

segunda-feira, fevereiro 25, 2019

,
Sinopse: Os corações das crianças pequenas são órgãos delicados. Um começo cruel neste mundo pode moldá-los de maneiras estranhas Nome novo. Família nova. Eu. Nova. Em folha. A mãe de Annie é uma assassina em série. Um dia, Annie a denuncia para a polícia e ela é presa. Mas longe dos olhos não é longe da cabeça. Os segredos de seu passado não a deixam dormir, mesmo Annie fazendo parte agora de uma nova família e atendendo por um novo nome — Milly. Enquanto um grupo de especialistas prepara Milly para enfrentar a mãe no tribunal, ela precisa confrontar seu passado. E recomeçar. Com certeza, a partir de agora vai poder ser quem quiser... Mas a mãe de Milly é uma assassina em série. E quem sai aos seus não degenera...
Eu já tinha ouvido falar várias vezes que esse livro era bem perturbador. Exatamente por esse motivo eu não exitei na hora de comprar. Se você é do time dos adoradores de thriller psicológico, então com certeza vá amar Menina Boa, Menina Má.

Acredito que não seja necessário repetir tudo o que já está na sinopse, então vou logo dizendo que é um livro que realmente me agradou e surpreendeu, visto que passei a leitura toda pensando em o final seria de um jeito. Apesar de não ser aquele final totalmente surpreendente, é um final que eu não esperava, porém adorei.

Toda a história é como se a Annie, ou melhor, Milly estivesse conversando com a sua mãe. É algo como um diário. De tanto assistir/ler histórias de assassinos em série, eu já vi muito disso, onde a protagonista dialoga com alguém que na verdade não está presente em carne e osso, mas influencia de alguma forma.

A Milly é completamente influenciada pela sua mãe, mesmo que ela não esteja presente, é a referência que ela tem. Milly não é uma pessoa má, ela não quer ser má. 

Mas quantas vezes já vimos pessoas boas que querem seguir sendo boas, mas normalmente fazem de TUDO (e quando digo tudo, é tudo mesmo) para manter a vida "normal" que finalmente alcançaram? Basicamente minha reação às páginas finais foi
Não tem assim uma reviravolta, o livro simplesmente acaba, mas é algo tão inesperado que você demora a digerir, sabe?

Gostaria de acrescentar que, sempre que compartilho livros de thriller aqui, muita gente diz que não curte muito. Bom, caso você tenha interesse em começar a ler esse gênero, mas não sabe bem por onde começar e procura algo mais leve, aqui está minha recomendação.

É um livro que, mesmo trazendo um assunto pesado, ele é leve e você lê assim, rapidinho e sem muitas neuras e desgraçamentos mentais.

Vamos falar um pouquinho sobre alguns dos personagens que estão envolvidos? Primeiro, Phoebe. Menina insuportável, mas nitidamente carente de atenção dos pais. Não merecia o que teve, mas era insuportável mesmo assim e inconsequente. As amigas, principalmente Clondine, poderiam pensar por conta própria, mas sabemos que isso é praticamente impossível.

Mike e Saskia, duas pessoas aparentemente maravilhosas. Mike é do tipo que tem essa vontade de ajudar, mas Saskia é quem precisa de ajuda. Bem parecido com a vida real, né?

Você já sonhou com um lugar muito, muito distante? Eu já.
Um campo repleto de papoulas.
Minúsculas dançarinas vermelhas, valsando alegremente.
Apontando suas pétalas para um caminho que leva a uma orla, pura.
Ininterrupta.
Eu, boiando de barriga para cima, um oceano turquesa. Um céu azul.
Nada. Ninguém.
Eu queria muito ouvir as palavras: “Nunca vou deixar que nada aconteça
com você.” Ou: “A culpa não foi dela, era só uma criança.”
Sim, são esses os tipos de sonhos que eu tenho.
Não sei o que vai acontecer comigo. Estou assustada. Diferente. Não tive
escolha.
Eu prometo isso.
Prometo ser a melhor pessoa que puder.
Prometo tentar.

Morgan, independente do que Milly faça, ela é uma pessoa leal e que realmente gosta da Milly, mesmo depois de tudo. Tinha outra imagem dela na minha cabeça quando comecei a ler o livro.

Deixo aqui minha recomendação e espero que vocês curtam a leitura.

Até a próxima.

Título original: Good Me, Bad Me
Tradução: Claudia Costa Guimarães
Páginas: 376
ISBN: 9788501109552
Selo: Record

Compre na Amazon.

Follow Us @blogsabeoinverno